PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Mais de 22 mil já morreram por covid-19 no Brasil, que tem 347.398 casos

AM - ENTERRO-DE-VÍTMA-DO-COVID-19-CEMITÉRIO-TARUMÃ - GERAL - Enterro de Denis Queiroz da Silva de 34 anos, vítima confirmada do Covid-19, no Cemitério Parque Tarumã na tarde sexta-feira (10) em Manaus (AM), No Amazonas já são 981 pessoas infectadas com o novo  Coronavírus e 50 mortes, Denis estava internado no Hospital Delphina Aziz e segundo à família não sofria de nenhuma doença crônica - EDMAR BARROS/ESTADÃO CONTEÚDO
AM - ENTERRO-DE-VÍTMA-DO-COVID-19-CEMITÉRIO-TARUMÃ - GERAL - Enterro de Denis Queiroz da Silva de 34 anos, vítima confirmada do Covid-19, no Cemitério Parque Tarumã na tarde sexta-feira (10) em Manaus (AM), No Amazonas já são 981 pessoas infectadas com o novo Coronavírus e 50 mortes, Denis estava internado no Hospital Delphina Aziz e segundo à família não sofria de nenhuma doença crônica Imagem: EDMAR BARROS/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, em São Paulo

23/05/2020 19h56

O Ministério da Saúde confirmou hoje que 22.013 pessoas já morreram no Brasil em decorrência da covid-19. Só nas últimas 24 horas, foram 965 óbitos no país.

Segundo boletim da pasta divulgado no início da noite hoje, com a confirmação de 16.508 diagnósticos nas últimas 24 horas, o país soma 347.398 casos oficiais, número inferior apenas ao dos EUA (que têm 1.618.471 casos confirmados) segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins.

Das 965 mortes confirmadas nas últimas 24 horas, 515 aconteceram nos últimos três dias (entenda como é feito o levantamento abaixo). Além disso, outros 3.534 óbitos ainda estão sendo investigados.

Ainda de acordo com as estatísticas do governo federal, são 142.587 pacientes recuperados do novo coronavírus até aqui. Até o registro de ontem, o número era de 135.430.

A covid-19 pelo mundo

O governo francês divulgou hoje que têm diminuído o número de pacientes internados (205 a menos) e em terapia intensiva (36 a menos) nos hospitais do país. Quase duas semanas após o encerramento do bloqueio, o número de casos confirmados aumentou em 250, para 144.806 em 24 horas, um aumento de 0,2%, abaixo do aumento médio de 0,3% dos últimos sete dias e bem abaixo da média de 0,8% de aumento observado na última semana de confinamento.

A pandemia também vem mostrando sinais de desaceleração na Itália. Foram 119 mortes oficiais registradas hoje, contra 130 na sexta-feira. Local de origem do novo coronavírus, a China informou hoje que não foram registrados novos casos pela primeira vez desde janeiro. Com pico em meados em fevereiro, a doença tem diminuído drasticamente no país nas últimas semanas.

Atravessando momento diferente da pandemia, a América do Sul, liderada pelo Brasil, é considerada hoje o novo epicentro da covid-19 no mundo pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

A pandemia nos estados

Estado mais afetado pela pandemia, São Paulo antecipou feriados na capital esta semana e em todos os seus municípios na segunda na tentativa de conter o avanço da covid-19. Porém, não observou aumento no isolamento social e tem, hoje, 6.045 mortes oficiais e 80.558 casos oficiais distribuídos em 505 municípios paulistas.

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, anunciou hoje que vai aumentar o número de bloqueios para fiscalizar o rodízio de veículos na última semana de quarentena na capital, Recife. O rodízio, decretado em 11 de maio, foi a principal medida para tentar ampliar o isolamento social no estado que anunciou hoje 26.786 casos e 2.144 mortes.

Um dia antes de encerrar o lockdown na região metropolitana de Belém, o Pará anunciou hoje 22.697 casos e 2.001 óbitos em decorrência da doença. O estado é considerado o segundo pior no enfrentamento ao novo coronavírus no Ranking Covid-19 dos Estados, atrás apenas do Amazonas, que anunciou hoje 28.802 caos e 1.744 mortes.

Números não refletem as últimas 24h

Os números de diagnósticos e óbitos confirmados pelo governo entre um dia e outro não necessariamente ocorreram de ontem para hoje.

O Ministério da Saúde explica que há atrasos de até dois meses nos registros feitos pelas secretarias, provocados pela fila de testes, e que as confirmações podem refletir ocorrências desde o início da pandemia.

O UOL já identificou atrasos de mais de 50 dias para a oficialização de mortes.

Coronavírus