PUBLICIDADE
Topo

Gabbardo: Estados do Norte não conseguiram se preparar antes da epidemia

27.mai.2020 - João Gabbardo dos Reis, secretário-executivo do Centro de Contingência do combate ao coronavírus em São Paulo - ROGÉRIO GALASSE/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
27.mai.2020 - João Gabbardo dos Reis, secretário-executivo do Centro de Contingência do combate ao coronavírus em São Paulo Imagem: ROGÉRIO GALASSE/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

27/05/2020 14h23

O médico João Gabbardo dos Reis, que foi anunciado hoje como secretário-executivo do Centro de Contingência do combate ao coronavírus em São Paulo, afirmou que outros estados, principalmente no Norte, estão com mais dificuldade na luta contra a covid-19 porque "a epidemia chegou antes que esses locais pudessem estar preparados".

Ao ser questionado o que deu certo em São Paulo e errado em outras partes do Brasil no combate ao coronavírus, Gabbardo respondeu: "De alguma maneira, teríamos que enfrentar a realidade. Dizíamos que deveríamos nos preparar para isso, com recursos humanos, com leitos de UTI, de enfermaria. Essa era uma exigência. O que ocorreu é que, em alguns locais, isso não foi possível, predominantemente no Norte do país e em algumas cidades do Nordeste".

"A epidemia chegou antes que esses locais pudessem estar preparados. Belém [no Pará] e Manaus [no Amazonas] já tinham uma deficiência considerável. Nesses locais, tivemos uma mortalidade maior por falta de assistência. Os óbitos em São Paulo ocorreram por uma evolução natural da doença. Hoje, se pegarmos os quatro estados do Brasil com maior taxa de transmissibilidade, os quatro estão na região Norte. Saímos aqui em São Paulo e estamos com surto muito elevado nesses locais", acrescentou.

Gabbardo era considerado braço-direito de Luiz Henrique Mandetta no ministério da Saúde e chegou a ser considerado para assumir a pasta. No entanto, ele descartou a hipótese um dia antes de a demissão do então ministro ser anunciada.

"Nós nos preparamos para o enfrentamento. Esse enfrentamento vai ocorrer, é inevitável que ele ocorra. Hoje, o país tem essas condições. Nós vamos ter que enfrentar a realidade. Isso pode ser feito de forma inteligente. Não é o mesmo tratamento nos estados para todas as regiões. O ministério da Saúde, desde o início, todos os boletins alertavam que deveríamos tratar situações diferentes de formas diferentes. No ministério da Saúde, trabalhávamos com a possibilidade de um compensar o outro. Poderia haver um aumento na doença se houvesse aumento na capacidade de atendimento. O plano apresentado hoje pelo governador [de São Paulo, João Doria] é mais rigoroso: ele não permite a compensação entre o bloco da assistência e o da compensação", declarou Gabbardo.

Durante a coletiva de hoje, o ex-secretário-executivo do ministério da Saúde voltou a falar sobre a atuação na pasta e negou qualquer interferência no trabalho realizado ao lado de Mandetta.

"Não tivemos qualquer pressão no ministério da Saúde para mudar nosso posicionamento. Tivemos liberdade absoluta para trabalhar. Quando eu falei que pessoas não aceitam ou dizem que, apesar das medidas de isolamento, tivemos esse número de óbitos e, por consequência, não foram adequadas, não me refiro a ninguém do poder central. Me refiro a pessoas que, nesse debate, são contrárias a esses debates. São as essas pessoas que me refiro nesse momento."

Coronavírus