PUBLICIDADE
Topo

Trump mandará 2 milhões de comprimidos de hidroxicloroquina, diz Bolsonaro

Do UOL, em São Paulo

27/05/2020 08h52

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse hoje que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, enviará dois milhões de comprimidos de hidroxicloroquina ao Brasil.

A afirmação ocorreu hoje durante conversa com apoiadores na portaria do Palácio da Alvorada depois que um simpatizante disse ter vindo da Califórnia.

O uso do medicamento é defendido por Bolsonaro no tratamento contra o novo coronavírus e foi o principal ponto de divergência com o ex-ministro da Saúde Nelson Teich, que deixou o cargo.

"Como é que está o Trump lá? Está bem? Tem quer ser Trump", disse o presidente sobre o colega republicano, que concorre à reeleição.

"Ele está mandando para nós aqui dois milhões de comprimidos de hidroxicloroquina", afirmou o mandatário.

O Ministério da Saúde divulgou na semana passada um protocolo para aplicação da cloroquina e hidroxicloroquina em pacientes em todos os casos, inclusive os com sintomas leves, para tratar a covid-19. O protocolo, que sugere a combinação dos dois medicamentos com azitromicina, é uma orientação para a rede pública de saúde.

Pesquisas não comprovam a eficiência da droga. Um estudo publicado na semana passada na revista médica The Lancet afirma que o uso de cloroquina ou hidroxicloroquina sozinhos ou combinados com macrolídeos (grupo de antibióticos dentre os quais se destaca a azitromicina) não tem benefícios comprovados no tratamento de pacientes com covid-19.

A pesquisa com 96 mil pacientes diz ainda que o uso desses medicamentos pode estar relacionado a um aumento no risco de morte por problemas cardíacos, como arritmia.

Trump declarou na semana passada que estava tomando a medicação, embora a FDA (Food and Drug Administration), agência reguladora dos EUA advirta contra o uso do medicamento fora de ensaios clínicos ou em ambientes hospitalares devido ao risco de problemas cardíacos. Ele não estava infectado com o coronavírus e faria uso preventivo, que não é recomendado por especialistas.

Coronavírus