PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

O que falta para bares e restaurantes reabrirem na cidade de São Paulo

Restaurantes e bares dependem de aval do governo estadual e protocolo sanitario para reabrirem - Divulgação
Restaurantes e bares dependem de aval do governo estadual e protocolo sanitario para reabrirem Imagem: Divulgação

Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

25/06/2020 20h45Atualizada em 25/06/2020 21h39

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), declarou pelo segundo dia consecutivo que a cidade tem bons indicadores de saúde e que espera ser autorizado a reabrir bares e restaurantes a partir de segunda-feira. Mas ele mesmo ressaltou que existem algumas condições para estes estabelecimentos voltarem a funcionar.

"São três questões. A primeira delas é que nós precisamos ser reclassificados [no Plano São Paulo]. Segundo, se for reclassificado, só passa a valer a reclassificação a partir de segunda. E terceiro, ainda depende do protocolo assinado entre a prefeitura e o setor para estabelecer de que forma, qual o horário, como vai ser a fiscalização", disse o prefeito, durante cerimônia de abertura de leitos de UTI em um hospital da Zona Norte da cidade.

Quando o prefeito fala em reclassificação no Plano São Paulo, ele se refere ao programa de retomada da atividade econômica do governo estadual que divide o Estado em 22 regiões. Cada uma delas é enquadrada em uma fase, conforme seus parâmetros de saúde. A capital está na fase 2 (controle) e Bruno Covas está confiante de que a pandemia está controlada e que a cidade deve avançar para fase 3 (flexibilização).

"A expectativa do município, volto a dizer, é que amanhã ele seja reclassificado para a fase 3, amarela. Se isso acontecer, nós podemos reabrir bares e restaurantes a partir da segunda-feira".

A autorização do governo estadual é a primeira condição e o passo seguinte é de responsabilidade do município. É ele que define os protocolos que regularão as medidas de proteção contra o coronavírus durante o funcionamento de bares e restaurantes.

Entidades representativas entregam suas sugestões e a palavra final é de uma comissão de saúde municipal. Nesta quinta-feira, ocorreu uma reunião. A tendência é usar as regras determinadas pela Anvisa, afirmou o presidente da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), Percival Maricato.

Por que a abertura pode não ocorrer segunda?

O aval do governo estadual permite a abertura a partir de segunda-feira, mas isso não significa que esta é a data da volta de bares e restaurantes. A definição do protocolo de retomada do comércio de rua e shoppings levou quase duas semanas. A comissão de saúde realizará uma série de estudos antes de determinar as normas.

Outro motivo é que a atividade de bares e restaurantes é considerada com menor potencial de transmissão do coronavírus por haver menor concentração de pessoas. O processo pode não ser imediato e permitir o funcionamento na segunda-feira, mas a expectativa é que não demore quase duas semanas.

Coronavírus