PUBLICIDADE
Topo

Prefeito de Belo Horizonte sobre lockdown: 'Descartado, no momento'

Prefeito vê vírus sob controle na capital mineira, mas pede colaboração da população - Amira Hissa/Divulgação
Prefeito vê vírus sob controle na capital mineira, mas pede colaboração da população Imagem: Amira Hissa/Divulgação

Do UOL, em São Paulo

09/07/2020 15h31Atualizada em 22/07/2020 19h26

A possibilidade de um lockdown em Belo Horizonte como medida contra a pandemia do novo coronavírus está descartada "no momento".

É o que informou hoje o prefeito da capital mineira, Alexandre Kalil (PSD), em entrevista ao jornal Hoje em Dia. Embora as taxas de isolamento social na cidade estejam em 45%, índice considerado abaixo do ideal, Kalil espera a colaboração da população antes de adotar qualquer medida mais restritiva.

"(O lockdown) está descartado, no momento", disse o prefeito. "É muito importante que as pessoas fiquem mais em casa e entendam que o momento é muito delicado", acrescentou.

Para Alexandre Kalil, é fundamental que a população de Belo Horizonte colabore coletivamente, especialmente com profissionais que estão na linha de frente do combate à covid-19.

"Suplico à população de BH para ajudar a quem está fazendo sacrifício", pediu o prefeito — que, no entanto, acredita que o vírus está "sob controle" na cidade.

De acordo com o Boletim Epidemiológico divulgado ontem pela Prefeitura de Belo Horizonte, a cidade já contabilizou 9.361 casos do novo coronavírus desde o início da pandemia, com 6.713 pacientes recuperados e 201 óbitos causados pela covid-19. Além disso, 2.447 pacientes estão sob acompanhamento.

Supermercados: abrem ou fecham?

Apesar dos apelos de Alexandre Kalil à população, a capital mineira pode ter medidas mais rígidas contra a pandemia. Uma delas é fechar o comércio aos domingos.

"Vamos fechar tudo aos domingos. Tudo não, porque não pode fechar hospital e farmácia", disse.

Segundo ele, a Prefeitura estuda restringir o funcionamento de estabelecimentos como supermercados, bares, restaurantes e lanchonetes, que estão autorizados a funcionar por delivery e retirada no balcão desde 20 de março.

Coronavírus