PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
11 meses

Após anúncio de Doria, Anvisa diz que faltam etapas para liberar CoronaVac

Anvisa estima que relatório que poderá liberar CoronaVac ficará pronto entre 30 de dezembro e 11 de janeiro - Reuters
Anvisa estima que relatório que poderá liberar CoronaVac ficará pronto entre 30 de dezembro e 11 de janeiro Imagem: Reuters

Do UOL, em São Paulo

07/12/2020 18h52Atualizada em 07/12/2020 20h36

Após anúncio feito pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), sobre o plano estadual de vacinação contra a covid-19, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) reagiu, em nota, dizendo que faltam etapas para liberar a CoronaVac —vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

O Butantan já havia dito, mais cedo, que deve encaminhar os dados de estudos que comprovem a segurança e a eficácia da vacina na semana que vem. E que a previsão de início da vacinação conta com "intercorrências" que podem acontecer em meio ao processo de registro do imunizante.

Na nota, a Anvisa afirmou que, além dos estudos de eficácia, precisa enviar um documento sobre a inspeção feita no laboratório Sinovac, na China, que terá de ser respondido pelo Butantan. Depois, será produzido um relatório de inspeção, que é o documento que aprova ou não a vacina. A expectativa da agência regulatória é que todo o processo fique pronto entre 30 de dezembro de 2020 e 11 de janeiro de 2021.

Pelo calendário anunciado por Doria, o primeiro grupo a ser vacinado (profissionais da saúde, indígenas e quilombolas) receberá a primeira dose a partir de 25 de janeiro de 2021, caso ocorra a liberação da Anvisa.

Em entrevista antes de divulgar a nota, o diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, desejou "boa sorte" a autoridades que estipulam prazos para o início da vacinação, sem citar o nome de Doria. Mas afirmou que a agência precisa de "no mínimo 60 dias" para analisar os documentos. (leia mais abaixo)

O que falta?

De acordo com a Anvisa, o Instituto Butantan já encaminhou dois estudos (o primeiro em 2 de outubro e o segundo, que ainda está em análise, em 30 de novembro), mas faltam também dados da fase 3 —que foi encerrada há cerca de duas semanas. (Veja a nota, na íntegra, abaixo)

"Não foram encaminhados dados relativos à fase III, que é a fase que confirma a segurança e eficácia da vacina. Esse dado é essencial para a avaliação tanto de pedidos autorização de uso emergencial quanto pedidos de registro", afirmou a Anvisa.

Veja abaixo a nota da Anvisa:

Esclarecimentos sobre análise dos estudos da vacina Sinovac.

1. Até o momento, foram encaminhados dois conjuntos de dados de estudos de segurança e eficácia por meio do procedimento de submissão contínua. O primeiro foi encaminhado em 02/10/2020 e sua análise já foi concluída. O segundo foi encaminhado em 30/11/2020 e está em análise.

2. Não foram encaminhados dados relativos à fase III, que é a fase que confirma a segurança e eficácia da vacina. Esse dado é essencial para a avaliação tanto de pedidos autorização de uso emergencial quanto pedidos de registro.

3. A inspeção na empresa Sinovac foi concluída no dia 04/12: Após o final da inspeção, a equipe inspetora elabora um documento (Anexo III do POP-O-SNVS-001), onde são listados todas os achados da inspeção (potenciais não conformidades). Este documento será formalmente enviado ao Instituto Butantan até 3 dias úteis após a inspeção. O documento deve ser respondido formalmente pelo Instituto Butantan em até 5 dias úteis após o seu recebimento. Com base nas respostas fornecidas pelo IB, a equipe inspetora elabora o Relatório de Inspeção, o qual apesar de ter prazo procedimental máximo de 31 dias úteis, foi planejado nesta missão para que leve 10 dias úteis no máximo. O Relatório de Inspeção é o documento conclusivo quanto à Certificação, podendo as conclusões deste levarem ao deferimento ou indeferimento da certificação. Somando-se os dias apresentados, conclui-se que o Relatório de Inspeção deverá ser finalizado entre 30 de dezembro a 11 de Janeiro de 2020.

4. É importante destacar que para a solicitação de Autorização de Uso Emergencial é esperado que sejam apresentados minimamente os dados descritos do Guia sobre os requisitos mínimos para submissão de solicitação de autorização temporária de uso emergencial, em caráter experimental, de vacinas covid-19.

1ª fase da vacinação terá 18 milhões de doses

Mesmo sem ter autorização do uso da CoronaVac, o governo paulista já firmou um acordo para ter 46 milhões de doses do imunizante —o que é suficiente para vacinar 23 milhões de pessoas, já que são necessárias duas doses. O tempo previsto entre a primeira e a segunda dose é de 21 dias.

A primeira fase da vacinação, anunciada hoje, deve contar com 18 milhões de doses (ou seja, para 9 milhões de pessoas).

Em coletiva no Palácio dos Bandeirantes, o governador também informou oferecerá 4 milhões de doses a outros estados, para que eles vacinem profissionais de saúde —a quantidade suficiente para vacinar 2 milhões de pessoas, já que serão necessárias duas doses por pessoa. Ele, porém, não revelou quais governadores solicitaram a vacina a seus estados —citou apenas dois prefeitos.

"No estado de São Paulo, a vacinação está programada para começar no dia 25 de janeiro. A fase 1 será destinada para profissionais de saúde e pessoas com mais de 60 anos. A escolha do público-alvo levou em conta a incidência de óbitos, um total de 77% das mortes por covid foi concentrado nas pessoas acima de 60 anos", afirmou Doria.

O governador disse que os recursos para a campanha de vacinação sairão do "Tesouro do estado", mas não deu detalhes. "[A vacina] será gratuita para todos", disse.

Processo de aprovação e registro é dinâmico, diz diretor

Quatro vacinas contra a covid estão em teste no Brasil. Horas depois da coletiva, em entrevista à rádio Jovem Pan, o diretor-presidente da Anvisa disse que ainda "não tem os protocolos" a serem analisados para aprovação da CoronaVac.

"Antes de verificarmos estes protocolos de registro, precisamos acessar os documentos dos estudos clínicos referentes à fase 3 dos testes. No entanto, estes estudos ainda não se encerraram. Para efetuarmos o registro de vacina contra o coronavírus, demandamos no mínimo 60 dias para analisarmos os documentos", disse Barra Torres.

"Apesar da previsão, não vou criar expectativa na população que já está tão sofrida com a pandemia com as notícias conflitantes. É terrível criar uma expectativa que pode não se concretizar. Preciso deixar claro que o processo de aprovação e registro dos imunizantes são dinâmicos, ou seja, podem ocorrer interferências e problemas capazes de mudar todo o calendário. Poderemos ter a grata alegria de, logo na virada do ano, termos uma possibilidade concreta de distribuição da vacina ou de, ainda em 2020, aprovarmos o uso emergencial. Essas hipóteses podem acontecer, mas não devemos colocar prazos", afirmou.

Butantan deve entregar documentos semana que vem

Na coletiva, o Instituto Butantan disse os documentos com a última fase de testes serão enviados à Anvisa na semana que vem, no dia 15 de dezembro. Esses documentos incluem, em especial, o resultado do teste da eficácia. Autoridades de saúde admitem que não há garantia de que a vacina será aprovada, mas se mostraram confiantes.

Segundo Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, o planejamento para o dia 25 inclui possíveis intercorrências com a agência. Originalmente, Doria tinha anunciado o início da imunização para dezembro.

"A alteração de 15 [de dezembro] a 25 [de janeiro] é porque a realidade impôs. Estamos no processo da produção da vacina e no procedimento de termina avaliação de eficácia do estudo clínico, bem como [a avaliação pelo órgão] da fábrica lá na China. São esses três elementos que vão compor registro. Essa data é compatível com esses três elementos. É uma data inicial e com grande probabilidade acontecer conforme previsto", afirmou Covas, na coletiva.

Saúde