PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
12 meses

Taxa de transmissão da covid sobe a 1,14 no Brasil, aponta Imperial College

Em São Paulo, Rua 25 de Março tem movimento intenso e aglomerações em meio à pandemia - Cris Fraga/Estadão Conteúdo
Em São Paulo, Rua 25 de Março tem movimento intenso e aglomerações em meio à pandemia Imagem: Cris Fraga/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

08/12/2020 21h37Atualizada em 08/12/2020 21h58

A taxa de transmissão (Rt) do coronavírus no Brasil subiu de 1,02 para 1,14 na última semana, segundo últimos dados divulgados pelo Imperial College de Londres, no Reino Unido. Isso significa que cada 100 pessoas infectadas no país transmitem o vírus para outras 114 — e, portanto, a pandemia está avançando.

Considerando a margem de erro, esse número pode variar entre 1,09 e 1,24. Nestes cenários, cada 100 pessoas diagnosticadas com covid-19 transmitem a doença para outras 109 e 124, respectivamente.

O nível de confiança do levantamento é de 95%, o que significa dizer que há 95% de chance de os números retratarem a realidade. Os números são divulgados semanalmente pelo Imperial College e dizem respeito aos dados coletados até o dia anterior — neste caso, segunda-feira (7).

O Rt, também chamado de ritmo de contágio, é um número que indica o potencial de disseminação de um vírus. Se o Rt está acima de 1, a doença está se espalhando; quando está abaixo de 1, em contrapartida, é um indício de que a pandemia está sob controle.

Alta nas mortes

O Brasil registrou mais 796 mortes causadas pela covid-19 nas últimas 24 horas e completou cinco dias com tendência de alta na média móvel de óbitos, segundo levantamento feito pelo consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte. Ao todo, o país já soma 178.184 mortes desde o início da pandemia.

Já o número de infectados chegou a 6.675.915, com 47.850 novos casos registrados de ontem para hoje. No mundo, apenas Estados Unidos (15,13 milhões) e Índia (9,70 milhões) têm mais infectados que o Brasil, de acordo com balanço da Universidade Johns Hopkins.

Coronavírus