PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Com 690 óbitos em 24h, Brasil tem nono dia de alta em mortes por covid

Profissionais de saúde tratam de paciente com coronavírus em hospital em Santo André (SP) - Rahel Patrasso
Profissionais de saúde tratam de paciente com coronavírus em hospital em Santo André (SP) Imagem: Rahel Patrasso

Do UOL, em São Paulo

12/12/2020 19h04

O Brasil registrou 690 novos óbitos causados pela covid-19 neste sábado (12) e chegou a nove dias com tendência de alta na média móvel de mortes. Foram 643 óbitos em média nos últimos sete dias, o que representa uma variação de 23% na comparação com 14 dias atrás. Os dados são do consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte.

Ao todo, o país já registra 181.143 óbitos causados pela doença desde o início da pandemia. Houve 44.282 novos casos da doença de ontem para hoje em todo o país. Desde o começo da pandemia, já são 6.880.595 testes positivos para o novo coronavírus.

A cada dia, o Brasil se aproxima de voltar a registrar 700 mortes em média por semana, algo que não ocorria desde setembro. Essa tendência de aceleração tem sido observada desde a segunda quinzena de novembro.

Alta em 17 estados + DF

Ao todo, o país tem 17 estados mais o Distrito Federal com tendência de alta na média móvel de mortes. Entre quarta e quinta, o país registrou o maior número de estados em alta desde o início do cálculo pelo consórcio: 21.

Entre as regiões, apenas o Norte indicou estabilidade (-9%). As demais apresentaram aceleração: Centro-Oeste (24%), Nordeste (22%), Sudeste (21%) e Sul (38%).

Dados da Saúde

O Ministério da Saúde divulgou hoje que o Brasil registrou 686 novas mortes provocadas por covid-19 nas últimas 24 horas. Com isso, país chega 181.123 óbitos pela doença desde o início da pandemia.

De ontem para hoje, o Brasil teve 43.900 diagnósticos positivos para o novo coronavírus. Desde o começo da pandemia, o número de infectados em todo o país subiu para 6.880.127.

De acordo com a Universidade John Hopkins, que acompanha a evolução da pandemia no mundo, o Brasil segue como o terceiro país com mais casos da doença, atrás de Estados Unidos e Índia, e o segundo em número total de mortes, atrás apenas dos EUA.

No boletim de hoje, o governo federal informou ainda que 5.969.706 pessoas se recuperaram da doença e outras 729.298 seguem em acompanhamento.

Rua e comércio cheios

Apesar dos casos crescentes, o país segue registrando aglomeração em diversos locais. Em São Paulo, centros comerciais do Brás e da 25 de Março, no centro, amanheceram abarrotados de pessoas fazendo compras para as festas de final de ano.

Com sábado de sol no Rio de Janeiro e no litoral paulista, também foram registradas praias cheias de banhistas.

Para medir a situação das mortes por causa da covid-19, especialistas indicam usar a média móvel dos óbitos, que calcula a média de registros observada nos últimos sete dias. A operação é a mais adequada para observar a tendência das estatísticas, por equilibrar as variações abruptas dos números ao longo da semana.

O consórcio de veículos de imprensa adotou esse período para verificar as oscilações na média móvel. É possível falar em queda nos números quando a diminuição é maior do que 15% se verificado nos últimos 14 dias —no caso, o período das duas últimas semanas. Caso os números aumentem mais do que 15%, há aceleração da epidemia. Valores intermediários indicam estabilidade.

Veja a situação por estado e no Distrito Federal:

Região Sudeste

  • Espírito Santo: aceleração (41%)

  • Minas Gerais: aceleração (40%)

  • Rio de Janeiro: estável (5%)

  • São Paulo: aceleração (24%)

Região Norte

  • Acre: aceleração (70%)

  • Amazonas: queda (-51%)

  • Amapá: aceleração (35%)

  • Pará: estável (9%)

  • Rondônia: estável (15%)

  • Roraima: aceleração (57%)

  • Tocantins: aceleração (36%)

Região Nordeste

  • Alagoas: estável (11%)

  • Bahia: aceleração (39%)

  • Ceará: queda (-25%)

  • Maranhão: queda (-27%)

  • Paraíba: aceleração (93%)

  • Pernambuco: aceleração (22%)

  • Piauí: aceleração (23%)

  • Rio Grande do Norte: aceleração (150%)

  • Sergipe: estável (10%)

Região Centro-Oeste

  • Distrito Federal: aceleração (40%)

  • Goiás: queda (-24%)

  • Mato Grosso: aceleração (44%)

  • Mato Grosso do Sul: aceleração (95%)

Região Sul

  • Paraná: aceleração (27%)

  • Rio Grande do Sul: aceleração (46%)

  • Santa Catarina: aceleração (42%)

Coronavírus