PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Esse conteúdo é antigo

Leia a íntegra da 1ª versão plano de vacinação contra covid enviada ao STF

Plano foi entregue pelo governo ao STF - iStock
Plano foi entregue pelo governo ao STF Imagem: iStock

Do UOL, em São Paulo

13/12/2020 12h50Atualizada em 16/12/2020 15h44

O governo Jair Bolsonaro (sem partido) entregou ao STF (Supremo Tribunal Federal) um plano nacional desenvolvido pelo Ministério da Saúde para vacinação da população contra a covid-19. O documento foi divulgado no dia 13 pela corte e não especifica datas para o início de uma eventual campanha de vacinação.

No documento, o governo prevê a necessidade de 108 milhões de doses de vacina para os grupos prioritários, mas não estima um cronograma para vacinar toda a população brasileira. Veja, aqui, a íntegra do plano de imunização apresentado pelo governo federal.

O plano inclui a CoronaVac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo, entre os imunizantes candidatos a serem utilizados na vacinação.

Após a divulgação do plano, pesquisadores citados como colaboradores na elaboração do documento disseram não ter tido acesso ao texto enviado pelo governo ao STF.

Em nota assinada por 36 pessoas, o grupo técnico do "Eixo Epidemiológico do Plano Operacional Vacinação Covid-19" se disse surpreendido com o documento e afirma que o texto "não lhe foi apresentado" nem teve sua anuência.

O Ministério da Saúde, por sua vez, informou que os pesquisadores foram consultados como convidados para participar de debates, mas "sem qualquer poder de decisão" na formalização do documento.

Uma das citadas no plano, a enfermeira e epidemiologista Ethel Maciel, professora da UFES (Universidade Federal do Espírito Santo), informou em seu Twitter que soube pela imprensa sobre o envio do documento. Em entrevista à GloboNews, ela disse que o governo não deu explicações sobre a divulgação do plano e reafirmou que nenhum deles teve acesso ao relatório final.

O que diz o plano

O plano entregue é divido em dez eixos, passando pela definição de população-alvo, vacinas que serão aplicadas, operacionalização das campanhas, orçamento e comunicação que será adotada. O documento não traz data para o início da vacinação nem um cronograma definido.

O ministério afirma que o plano "de fato não apresenta data exata para vacinação" diante da "inexistência no mercado nacional de um imunobiológico eficaz e seguro" aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

"Apresentar uma data, especificar um imunobiológico e apresentar informações sem a devida identificação de uma vacina aprovada pela Anvisa, não condiz com as práticas de segurança e eficiência do Programa Nacional de Imunizações da pasta", diz o documento.

Saúde