PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
3 meses

Anvisa diz que análise para uso de novo lote da CoronaVac sai em 9 dias

Dose da CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan, de SP - Arthur Stabile/UOL
Dose da CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan, de SP Imagem: Arthur Stabile/UOL

Do UOL, em São Paulo

18/01/2021 20h48

O diretor da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antônio Barra Torres, afirmou na noite de hoje que a próxima análise do novo lote da vacina CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, para uso emergencial deve sair em um prazo de até nove dias.

"Eu considero que sim [é possível dar uma resposta em menos tempo], porque evidentemente há etapas do processo que são comuns e que pesam. Como você bem colocou, é uma linha de produção diferente", disse Barra Torres, em entrevista à CNN Brasil. "Eu penso que em menos de nove dias, nós vamos conseguir, sim", completou.

O Instituto Butantan fez hoje à Anvisa um novo pedido de uso emergencial de 4,8 milhões de doses da CoronaVac que já estariam prontos para distribuição e correspondem à produção nacional. Segundo o governo estadual, o pedido engloba também a produção de mais 35 milhões de doses —o que pode levar a um total a 40 milhões de doses da vacina contra covid-19.

O pedido de uso emergencial aprovado ontem pela Anvisa é correspondente a 6 milhões de doses que vieram da China e já estavam prontas para distribuição. Cada pessoa deve tomar duas doses do imunizante.

"Nós estamos seguros que a [nova] análise será feita com o mesmo critério técnico anterior", disse Doria, durante entrevista coletiva.

Dobrar a capacidade de produção

A expectativa do Butantan é conseguir duplicar a produção da vacina nesta semana, passando a produzir 2 milhões de doses diárias do imunizante. Caso consigam finalizar toda produção da vacina contra a influenza, os pesquisadores irão concentrar dois setores inteiros na produção da CoronaVac —vacina contra covid-19 desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Butantan.

Ontem, durante entrevista coletiva para anunciar o início da vacinação, Covas disse que aguarda autorização do governo chinês para importação de novos insumos, que serão usados na produção de novas doses.

"Estamos com um pedido aprovado de importação lá na China e neste momento aguardamos uma autorização do governo chinês. Isso já deveria ter acontecido 15 dias atrás, não aconteceu, estamos em intenso contato com os chineses para que liberem essas doses, que serão suficientes para a produção de mais de 11 milhões de doses. Esperamos que isso se resolva nesta semana ainda", disse Covas.

Na entrevista de hoje, o cientista afirmou que a matéria-prima chinesa está "disponível e produzida" e que a autorização da Anvisa para uso emergencial, que saiu ontem, deve "facilitar" a decisão do governo chinês.

Mudança de planos

A necessidade de urgência na produção de mais doses da CoronaVac se deu na última semana, quando o Ministério da Saúde fracassou na negociação pelas vacinas da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), produzidas na Índia.

Sem doses de vacinas em mãos e com data marcada para o início da vacinação, o governo federal solicitou ao governo do Estado de São Paulo todas as doses produzidas da CoronaVac para distribuir ao resto do Brasil.

Dessa forma, o Butantan separou para o governo federal 4.636.936 doses, enquanto outras 1.357.640 vacinas continuaram em solo paulista, para serem distribuídas aos municípios do estado diretamente.

Em dezembro, o governador João Doria (PSDB) havia divulgado um plano estadual de vacinação para o estado de São Paulo, que previa a aplicação de 18 milhões de doses na primeira fase da campanha, entre janeiro e março. Com a distribuição das doses prontas para todo o país, o calendário deve ser refeito.

Coronavírus