PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

AM tem fila de espera de 455 pessoas por um leito; espera pode levar dias

Movimentação diante do pronto-socorro Joventina Dias, em Manaus, fechado para novos atendimentos - Carlos Madeiro/UOL
Movimentação diante do pronto-socorro Joventina Dias, em Manaus, fechado para novos atendimentos Imagem: Carlos Madeiro/UOL

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Manaus

19/01/2021 19h59Atualizada em 19/01/2021 21h08

Com todos os hospitais lotados, a fila de espera de pacientes que aguardam um leito para tratamento da covid-19 no Amazonas chegou a 455 pessoas, sendo 73 delas do interior, segundo dados do fim do dia de ontem na Central Estadual de Regulação. Há uma semana, dia 11, a fila era formada por 356 pessoas.

O número se refere apenas a pacientes que procuraram uma unidade de saúde e tiveram nomes inscritos para atendimento. Entretanto, diante do colapso e saturação do sistema de saúde, muitas pessoas estão tentando tratar-se em casa, comprando oxigênio para uso domiciliar.

Ontem havia 1.742 pessoas internadas com covid e outras 2.408 com suspeita em hospitais públicos e privados.

O governo do estado vem, desde o fim de semana, transferindo pacientes para outros estados para desafogar o sistema. Nesta madrugada, quatro foram levados para Belém. Ao todo já são 115 transferências de pacientes para os estados do Acre, Maranhão, Pernambuco, Piauí, Paraíba, Rio Grande do Norte, Pará, Goiás, além do Distrito Federal.

Segundo o governo, novas transferências devem ocorrer para tentar desafogar a rede que sofre com problemas em garantir o abastecimento de oxigênio. Apesar das doações, municípios do interior ainda reclamam da pouca oferta do insumo.

Dois dias na observação

 Regina Oliveira, 69, filha da técnica de enfermagem Ana Paula Oliveira, que aguarda leito no Amazonas - Carlos Madeiro/UOL - Carlos Madeiro/UOL
Regina Oliveira, 44, filha da técnica de enfermagem Ana Paula Oliveira, que aguarda leito no Amazonas
Imagem: Carlos Madeiro/UOL

Uma das pessoas à espera de leito é Regina Oliveira, 44, filha da técnica de enfermagem Ana Paula Oliveira, 69. Ela conta ao UOL que sua mãe deu entrada no domingo no Hospital 28 de Agosto, em Manaus, e até a tarde de hoje esperava um leito vagar.

"Ela ficou até ontem sentada em uma cadeira no setor de observação do hospital. Agora ela está em uma maca que arrumaram. Alegam sempre que não têm leito para ela subir para o internamento e que temos de esperar uma vaga", diz.

Apesar de não estar em um leito, Ana Paula conta que a sua mãe está sendo atendida com oxigênio. "Mas a situação dele é complicada, ela está com 50% do pulmão comprometido pela covid, precisa ser internada", afirma.

Unidades básicas cheias

Por conta da lotação, muitos prontos-socorros estão com a triagem fechada. O UOL também visitou hoje uma unidade básica de saúde no bairro da Compensa, na periferia de Manaus, onde muitos pacientes aguardavam atendimento.

Por conta da grande quantidade de pacientes, foi montada uma tenda no lado de fora do prédio. Uma funcionária da unidade contou à reportagem que todos os demais atendimentos estão suspensos para dar conta do movimento causado pelos casos da covid-19.

"É gente demais porque como o pronto-socorro não está atendendo. E têm chegado muitos casos graves, isso que é complicado porque somos uma unidade básica", afirma ela, pedindo anonimato.

O pronto-socorro citado por ela é o Joventina Dias, que fica próximo à unidade. A reportagem foi até o local e confirmou que o serviço está fechado para novos atendimentos.

"Hoje chegou inclusive uma pessoa passando muito mal e vi eles recusarem o atendimento, e o homem precisou procurar outro local. Já os pacientes que estão aí dentro sei que estão sendo bem tratados", relata a autônoma Rosineide Lima, 32, que está com a mãe internada no local desde sábado com covid-19.

Coronavírus