PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Fiocruz: 8 estados têm tendência de alta de síndrome respiratória grave

Do UOL, em São Paulo*

25/02/2021 14h16

O número de casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) tende a aumentar em oito estados brasileiros, segundo análise de longo prazo do Boletim Infogripe, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). São eles: Ceará, Santa Catarina, Tocantins, Bahia, Espírito Santo, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Sul. A análise de longo prazo compreende seis semanas encerradas na semana epidemiológica 7 de 2021, que vai de 14 a 20 de fevereiro.

O índice registra casos de SRAG de diferentes fontes, mas serve de indicação sobre a tendência da evolução de casos graves da covid-19 no Brasil. Segundo a Fiocruz, dos 51.553 casos da síndrome com resultado laboratorial positivo para algum vírus respiratório durante 2021, 95,4% tiveram como agente o Sars-CoV-2 (novo coronavírus). Uma das principais complicações da covid-19 é justamente a SRAG.

No Ceará, em Santa Catarina e em Tocantins, a probabilidade de alta é forte, pois passa dos 95%. Além dos três estados citados, tendem a um aumento de casos de SRAG a Bahia, o Espírito Santo, a Paraíba, Pernambuco e o Rio Grande do Sul. No caso desses estados, a probabilidade de aumento é menor, entre 75% e 95%.

O Ceará e a Paraíba acumulam ao menos seis semanas consecutivas com sinal de crescimento, enquanto o Tocantins já está na quinta semana seguida de alta.

No boletim divulgado hoje (25), o Amazonas apresentou forte tendência de queda nos casos de SRAG, com probabilidade maior que 95%, enquanto Minas Gerais, o Pará, Rio de Janeiro, Roraima e São Paulo têm tendência moderada de queda.

Os demais estados e o Distrito Federal foram considerados com tendência de estabilidade, o que significa que há uma probabilidade menor que 75% tanto para alta quanto para queda de casos. Os pesquisadores responsáveis pelo boletim alertam que, apesar disso, Alagoas, Goiás, o Maranhão e Rondônia estabilizaram o patamar de casos após longo período de crescimento.

Outra ponderação é que "a tendência registrada para Mato Grosso não é confiável, uma vez que se mantém a grande diferença entre os dados de SRAG do estado reportados no SIVEP-gripe, utilizados pelo InfoGripe, e aqueles notificados no sistema próprio do estado, com grande subnotificação no SIVEP-gripe".

Histórico de SRAG desde 2020

Segundo a análise, um total de 794.500 casos de SRAG foram reportados desde 2020, sendo que 92.685 casos são referentes ao ano epidemiológico 2021.

Neste ano, 51.553 (55,6%) tiveram resultado laboratorial positivo para algum vírus respiratório, com 15.046 (16,2%) negativos, e ao menos 16.675 (18,0%) aguardando resultado laboratorial.

Dentre os positivos, 0,6% eram de vírus sincicial respiratório (VSR); e 95,4% de Sars-CoV-2 (Covid-19), sendo 0% para Influenza A e B.

Capitais

Quando a análise se concentra nas capitais e suas regiões, seis das 27 apresentam tendência de alta nos casos, sendo João Pessoa a única com mais que que 95% de chances. Campo Grande, Fortaleza, Florianópolis, Palmas e Salvador também tendem a um aumento de casos, porém com probabilidade moderada.

A tendência de queda no número de casos de SRAG é mais que 95% provável em Belém, Belo Horizonte, Cuiabá e Manaus. Sobre a capital mato-grossense, os pesquisadores fazem a mesma ponderação que para o estado de Mato Grosso e consideram que a avaliação não é confiável.

Boa Vista, Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Vitória apresentam probabilidade moderada de queda nos casos de SRAG, enquanto as demais capitais estão na zona de estabilidade.

*Com informações da Agência Brasil

Coronavírus