PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

1.703 municípios querem aderir ao consórcio para compra direta da vacina

Estádio do Pacaembu, no centro, no segundo dia de imunização de idosos entre 80 e 84 anos - Arthur Stabile/UOL
Estádio do Pacaembu, no centro, no segundo dia de imunização de idosos entre 80 e 84 anos Imagem: Arthur Stabile/UOL

Do UOL, em São Paulo

05/03/2021 13h48

A Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) informou hoje que 1.703 prefeituras manifestaram interesse em aderir ao consórcio para a compra direta de vacinas contra a covid-19. Os municípios somam mais de 125 milhões de habitantes, diz a FNP.

No início da semana, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei que permite a compra de vacinas por estados, municípios e pela iniciativa privada. Pelo texto, a aquisição se torna possível desde que a vacina tenha registro ou autorização temporária de uso emergencial aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Segundo a lista divulgada pela FNP, apenas duas capitais ainda não aderiram ao plano: Vitória (ES) e Natal (RN).

Ontem, o presidente da Frente Nacional dos Prefeitos, Jonas Donizete (PSB), e pessoas próximas a ele informaram que não querem "concorrer" com o Ministério da Saúde pela compra de vacinas —a Pasta, que deve fechar acordo para receber as vacinas da Pfizer e Janssen, pediu exclusividade na venda. Isso significa que estados e municípios não poderão negociar com as farmacêuticas.

Donizete chegou a celebrar o acordo feito pelo Ministério da Saúde. "Talvez a adesão maciça dos prefeitos tenha até ajudado o governo a tomar essa decisão. Jamais saberemos se o empurrão foi nosso, mas isso pouco importa. O que nos interessa, mesmo, é que a vacinação dos brasileiros seja um fato, não uma promessa."

Saúde