PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Na fase vermelha, SP tem maior índice de isolamento desde agosto

Movimentação na região da rua 25 de Março, no centro de São Paulo, no fim de semana de fase vermelha - Ricardo Matsukawa / UOL
Movimentação na região da rua 25 de Março, no centro de São Paulo, no fim de semana de fase vermelha Imagem: Ricardo Matsukawa / UOL

Lucas Borges Teixeira, Rafael Bragança e Allan Brito

Do UOL, em São Paulo, e colaboração para o UOL, em São Paulo

08/03/2021 14h45

O estado de São Paulo atingiu o maior índice de isolamento desde o meio de agosto neste fim de semana, o primeiro com todas as regiões na fase vermelha, a mais restritiva do Plano São Paulo. Segundo o governo, a taxa chegou a 51% no último domingo (7).

As maiores taxas de isolamento, de quase 60% da população, foram registradas no início da pandemia, em março, mas se mantiveram acima dos 50% aos fins de semana, período em que a taxa aumenta, até agosto. Desde então, o estado experimentou uma queda, com recorde de baixa em dezembro.

No sábado (6), primeiro dia da restrição, o índice do SIMI-SP (Sistema de Monitoramento Inteligente de São Paulo), monitorado em parceria com as operadoras de telefonia móvel, registrava 46%. No domingo, 51% —o maior desde 16 de agosto, quando chegou a 52%.

Desde então, o estado só tinha atingido 50% de isolamento em uma ocasião, no dia 3 de janeiro, domingo após o Réveillon, em que todas as regiões também estavam na fase vermelha.

No fim de semana anterior (27 e 28 de fevereiro), as taxas foram de 42% e 48%, respectivamente.

A capital também registrou aumento, com 44% no sábado e 50% no domingo —algo que, fora o de 3 de janeiro, não acontecia desde setembro. No fim de semana anterior, o isolamento foi de 41% e 47%.

Queda da circulação é ferramenta para frear pandemia

Os índices foram comemorados pelo governo paulista e pelo Centro de Contingência. A queda na circulação foi a principal justificativa para colocar todo o estado na fase vermelha.

É isso que precisamos manter. Com uma circulação menor nestas duas semanas esperamos ter uma queda nos números de internações. Mesmo no transporte público [crítica recorrente ao plano], você vê uma diminuição do habitual. É esse o caminho.
Paulo Menezes, infectologista e coordenador do Centro de Contingência

Segundo ele, se o isolamento continuar a subir, os impactos já poderão ser sentidos em alguns dias, com possível segurada na escalada de internações. A ocupação das UTIs (unidades de terapia intensiva) chegou a 80% no estado.

Precisamos de mais. Tínhamos meta de voltar aos 50% [de isolamento], por isso reforçamos importância da contribuição das empresas. Estamos monitorando indicadores de aglomeração. Fizemos parceria com empresas de dados e tecnologias e a polícia tem sistema bem equipado. Combinando essas duas tarefas estamos acompanhando formação de aglomerações.
Patrícia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico

Segundo a Secretaria da Segurança Pública, mais de 200 eventos de médio e grande porte foram desmobilizados neste final de semana e 330 pessoas presas nos últimos dez dias, em meio às restrições de circulação após às 23h, reduzidas para as 20h na fase vermelha.

Saúde