PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Paes cobra da União abertura de mais de 300 leitos na rede federal do Rio

Paes disse que os leitos de hospitais da prefeitura já estão quase todos abertos - Prefeitura do Rio/Ricardo Cassiano
Paes disse que os leitos de hospitais da prefeitura já estão quase todos abertos Imagem: Prefeitura do Rio/Ricardo Cassiano

Colaboração para o UOL, no Rio

19/03/2021 08h37Atualizada em 20/03/2021 17h01

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM), cobrou hoje da União a liberação de 300 a 350 leitos da rede federal de saúde para o tratamento da covi-19 na capital fluminense. Em coletiva de imprensa para apresentar dados do novo boletim epidemiológico da cidade, Paes citou os hospitais da Lagoa e de Ipanema, na Zona Sul, como unidades que poderiam ter novas vagas ofertadas à população.

"Fica um apelo ao ministro da Saúde, ministro (Eduardo) Pazuello e ministro (Marcelo) Queiroga para que a rede federal possa abrir e colocar em regulação estadual os leitos federais existentes no Rio de Janeiro", pediu Paes, dizendo que a prefeitura já está com quase 100% de seus leitos funcionando.

O prefeito voltou a falar que o Rio de Janeiro não precisaria ter aberto nenhum hospital de campanha por causa da pandemia. Durante a gestão de Marcelo Crivella (Republicanos), a prefeitura inaugurou uma unidade temporária no Riocentro, na Zona Oeste da capital fluminense.

"Ninguém precisa fazer hospital de campanha nenhum no Rio de Janeiro. Hospital de campanha sempre foi desnecessário na cidade do Rio de Janeiro. Falei isso no ano passado e reitero agora como prefeito", criticou Paes, dizendo que o pico de internações no hospital do Riocentro foi de apenas 111 pessoas.

Lockdown

Ao falar das ainda medidas mais restritivas que vai anunciar na segunda-feira (22), com a provável antecipação de feriados, Paes descartou a adoção de lockdown na cidade. Ele disse que a prefeitura ainda não vai suspender todas as atividades econômicas e avisa que "não é hora de festas e aglomerações", já que "é grave a situação".

"Faremos aquilo que for necessário, no momento que for necessário. Graças a Deus não fizemos o lockdown pedido em janeiro. Estaríamos há dois meses e meio com a cidade fechada, as pessoas já enlouquecidas provavelmente", avaliou Paes.

Com 216.908 casos confirmados e 19.583 mortes pela covid-19 desde o início da pandemia, de acordo com dados de hoje da prefeitura, o Rio de Janeiro está com 1.199 pacientes internados na rede do SUS da cidade neste momento. A taxa de ocupação dos leitos no município é de 95%, segundo o governo do estado.

O UOL procurou o Ministério da Saúde sobre o pedido da abertura de leitos de hospitais federais na cidade, mas não obteve retorno até a última atualização da reportagem.

Governador confirma 150 leitos

Sobre a cobrança de Paes feita ao Ministério da Saúde, o governador em exercício do Rio, Claudio Castro (PSC), afirmou que conversou com Queiroga e o ministro prometeu a abertura de 150 leitos no estado. Segundo Castro, as novas vagas serão em hospitais federais, mas também terão parceria com a rede privada e o governo fluminense.

"Acabo de falar com o Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que se comprometeu em abrir imediatamente 150 leitos para pacientes com covid na rede federal em parceria com o governo do estado e a iniciativa privada. Estamos na corrida para salvar vidas!", afirmou Castro no Twitter.

Além dos 150 leitos em parceria com o governo federal, o governador fluminense também anunciou que serão abertas outras 300 vagas na rede particular, custeadas pela gestão estadual. O processo, entretanto, ainda está na fase de chamamento público dos interessados, com prazo que vai de hoje até a próxima quinta-feira (25).

Saúde