PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
10 meses

Secretário de Saúde de São Paulo vê situação 'muito crítica' em uma semana

Edson Aparecido pediu para que a população fique em casa nos feriados que foram antecipados pela prefeitura  - Aloisio Mauricio/FotoArena/Estadão Conteúdo
Edson Aparecido pediu para que a população fique em casa nos feriados que foram antecipados pela prefeitura Imagem: Aloisio Mauricio/FotoArena/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

19/03/2021 09h48

O secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, disse hoje que a cidade terá uma situação "muito crítica" no sistema de saúde — público e privado — em cerca de uma semana por causa do avanço da covid-19.

Atualmente com uma taxa de 88% de ocupação no tratamento intensivo, a prefeitura assistiu ao número de pacientes internados saltar dia a dia ao longo do mês. De 1º de março (753 internados) até ontem (1.133), o salto foi de 50%. O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), afirmou ontem que a capital registrou a primeira morte de um paciente com covid-19 que não conseguiu vaga em uma UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Em entrevista à TV Globo, Aparecido disse que o município trabalha numa "operação de guerra" para abrir mais leitos, mas admitiu a enorme pressão sobre o sistema de saúde.

"Todo esse esforço seguramente não vai ser suficiente nos próximos dias para suportar a enorme pressão que estamos tendo no sistema de saúde, tanto privado como público (...) Nós teremos uma situação muito crítica em todo o sistema de saúde, no privado, no público, em uma semana, oito, nove dias, de maneira muito grave", disse.

Ele crê que com a antecipação dos feriados anunciada ontem pela prefeitura seja possível reduzir a circulação de pessoas na cidade. Segundo ele, a medida é "derradeira" antes de ações mais drásticas serem implementadas. Segundo ele, a antecipação foi adotada justamente para tentar fazer com que as pessoas fiquem em casa e pediu consciência por parte da população.

Essas restrições, os feriados, não é para ir para praia, é para ficar em casa, porque não temos mais leito para tratar as pessoas. Mesmo a pessoa que tem condições de ir para praia, que normalmente é classe média, média alta, não tem mais leito de UTI em hospital privado. Os grandes hospitais privados daqui estão com muito mais de 100% de ocupação. Tem que colocar na cabeça que se pegar a doença não vai ter leito para ser tratado Edson Aparecido, secretário municipal de Saúde de São Paulo

A medida de antecipar feriados já foi adotada em julho de 2020. Na época, Covas antecipou os feriados de Corpus Christi e o da Consciência Negra na tentativa de frear o avanço da doença na capital.

A partir da próxima segunda-feira, dia 22 de março, o horário do rodízio de veículos na capital também sofrerá mudanças, com restrição das 20h as às 5h.

Saúde