PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

SP: Com cálculo próprio, capital vê isolamento de mais de 80% em feriados

Siga o UOL no

Leonardo Martins, Rafael Bragança e Rai Aquino

Do UOL e colaboração para o UOL, em São Paulo

08/04/2021 12h53

A Prefeitura de São Paulo divulgou hoje os dados de isolamento social medidos pela gestão do prefeito Bruno Covas (PSDB) durante as últimas semanas, que acumularam um período de dez dias seguidos sem dias úteis por conta de feriados antecipados na cidade.

Com um cálculo próprio, diferente do divulgado pelo governo paulista desde o início da pandemia, a administração da capital apontou um índice de isolamento que passou de 80% na semana do feriado prolongado.

Segundo dados apresentados durante entrevista coletiva realizada hoje por Covas e sua equipe, a semana de 29 de março a 4 de abril apresentou uma média de isolamento social de 81%. O pico foi no último domingo (4), com 87% de isolamento. No mesmo dia, a medição da gestão do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), mostra 50% de isolamento na cidade. Já na mesma semana, a média do índice estadual diário resulta em 45% no período de sete dias.

isolamento - Reprodução/Prefeitura de São Paulo - Reprodução/Prefeitura de São Paulo
Índice de isolamento social da Prefeitura de São Paulo mostra melhora significativa durante feriados
Imagem: Reprodução/Prefeitura de São Paulo

Enquanto o índice divulgado pelo governo estadual considera dados coletados por antenas de celulares, a conta feita pela capital inclui quatro medições principais, de acordo com o secretário municipal de Governo, Rubens Rizek Jr.:

  • números das catracas de ônibus municipais, que mostram a quantidade de passageiros em circulação;
  • quantidade de carros na rua, medidos por contadores de veículos da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) e radares;
  • estimativa de lentidão no trânsito, feita pela CET em parecia com o aplicativo Waze;
  • análise de notas fiscais eletrônicas de serviço prestados que exigem mais mobilidade social, como, por exemplo, de estacionamentos, oficinas mecânicas e cartórios.

A antecipação de cinco feriados municipais, que permitiu a emenda entre 26 de março e 4 de abril, foi determinada por Covas com o objetivo de frear a circulação do novo coronavírus na capital, no pior momento que da pandemia de covid-19 na cidade, no estado e no país.

A decisão, porém, não foi tomada em conjunto com a gestão paulista, e Doria chegou a criticar publicamente o prefeito por não avisá-lo sobre os feriados.

iso - Reprodução/Prefeitura de São Paulo - Reprodução/Prefeitura de São Paulo
Medição por dia mostra pico de isolamento de 84% durante dias de semana no dia 29 de março
Imagem: Reprodução/Prefeitura de São Paulo

"Sucesso absoluto"

A medida foi valorizada hoje pela administração municipal, que comparou o índice de isolamento da última semana com o início de março. Entre os dias 1º e 7 do mês passado, o índice estava em apenas 41%. Já na semana anterior aos feriados antecipados, de 22 a 28 de março, a medição apontava 66%.

Segundo Rizek, a gestão paulistana considera um "sucesso absoluto" a antecipação dos feriados. O secretário afirmou que os índices das últimas semanas se equiparam ao início da quarentena na cidade, no período entre o fim de março e o começo de abril do ano passado.

Durante a semana de feriados, batemos os 80% do nosso índice e acabando o feriado estamos voltando aos 60% das medidas restritivas. Com isso, acreditamos que esse período de dez dias que o isolamento da cidade comprovadamente subiu muito pode ajudar então na diminuição da pressão no sistema de saúde.
Rubens Rizek Jr., secretário municipal de Governo

Junto com os feriados, a cidade de São Paulo também vive as medidas restritivas impostas pela fase emergencial do Plano São Paulo, que incluem o fechamento de atividades não essenciais e uma espécie de toque de recolher entre 20h e 5h. A iniciativa, determinada por Doria, começou a valer em 15 de março e está prevista para durar até domingo (11), mas o governador ainda decidirá amanhã (9) sobre sua prorrogação ou não.

Efeito da vacinação em idosos

Com a ocupação de leitos de UTI e enfermaria estabilizada na capital, mas num patamar elevado, em torno de 90%, a Prefeitura de São Paulo já tenta avaliar os efeitos da vacinação contra a covid-19 na cidade. Edson Aparecido, secretário municipal de Saúde, disse que será publicado nos próximos dias o resultado de um estudo com idosos acima de 80 anos.

Aparecido explicou que a pesquisa também incluirá a avaliação de profissionais de saúde da capital vacinados, assim como a que concluiu que a CoronaVac é eficaz contra a variante P1 do novo coronavírus, em estudo realizado em Manaus.

"É possível notar uma pequena redução [dos casos entre idosos] e também uma redução um pouco nas licenças dos nossos profissionais de saúde. São dados preliminares que vão ter que ser aprofundados e essa pesquisa será determinante em apontar seguramente essa queda", afirmou Aparecido.

Sobre a situação de pressão sobre o sistema hospitalar, o secretário lembrou que, apesar do crescimento nas internações ter sido contido, a ocupação dos leitos deve seguir alta nas próximas semanas.

"O patamar de estabilidade é muito alto. Teremos ainda 15, 20 dias de muita pressão no sistema de saúde aqui no nosso município", disse.

Coronavírus