PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

SP prorroga fase de transição até 9 de maio e amplia horário do comércio

Beatriz Gomes, Lucas Borges Teixeira e Rafael Bragança

Do UOL, em São Paulo

28/04/2021 13h10Atualizada em 28/04/2021 16h25

O governo de São Paulo anunciou hoje a prorrogação da fase de transição do Plano São Paulo a partir do próximo sábado (1º) até o dia 9 de maio, em todo o estado. O horário do comércio e do setor de serviços foi ampliado para permitir o funcionamento das 6h às 20h.

Até esta sexta-feira (30), seguem as regras estabelecidas anteriormente, de funcionamento das 11h às 19h, com horário limite de funcionamento de oito horas para alguns setores. O limite de ocupação dos estabelecimentos, de 25% da capacidade, continua o mesmo, assim como a vigência do toque de recolher entre 20h e 5h —o objetivo é diminuir a circulação de pessoas à noite.

da - Reprodução/Governo do Estado de São Paulo - Reprodução/Governo do Estado de São Paulo
Nova etapa da da fase de transição do Plano São Paulo
Imagem: Reprodução/Governo do Estado de São Paulo

Na prática, até agora, os estabelecimentos poderiam abrir, mas, no máximo durante oito horas por dia. Algumas academias, por exemplo, decidiram abrir por quatro horas durante a manhã e mais quatro, no fim do dia. Agora, com a mudança, não há limite de horas para o funcionamento, desde que seja respeitado o intervalo das 6h às 20h.

Os parques estaduais e municipais também permanecerão com o horário de funcionamento já vigente, das 6h às 18h.

O governo paulista segue recomendando ainda a manutenção do teletrabalho sempre que possível e o escalonamento do horário de entrada e saída para o comércio, serviços e indústria.

"Nós estamos tendo uma redução de leitos de UTI [unidades de terapia intensiva] ocupados de mais ou menos 1% por semana", justificou a secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen. "Essa redução continua se sustentando, mas precisamos novamente deste trabalho [de respeitar] 25% de ocupação, toque de recolher, teletrabalho para as atividades administrativas não essenciais e o escalonamento do horário de entrada e de saída de comércios e indústria."

Segundo os números da Fundação Seade, usados pelo governo estadual no monitoramento, foram registradas 814 mortes por covid-19 no estado de ontem para hoje. No total, o estado soma mais de 2,8 milhões de casos e 94 mil óbitos por causa da doença.

A taxa de ocupação de leitos em UTIs, que passou dos 90% entre março e o começo de abril, está em 79,8% no estado.

No pico da segunda onda, nós tínhamos, no estado, 500 casos novos a cada 14 dias por 100 mil habitantes. Na média, algumas regiões chegaram a apresentar mais de 800 casos novos por 100.000 habitantes em duas semanas. Esse número, hoje, está em 423, uma redução de cerca de 35% ao longo desse período.
Paulo Menezes, coordenador do Centro de Contingência

Semelhante à fase laranja

A nova etapa da fase de transição é muito semelhante à fase laranja, adotada quando a ocupação de leitos de UTI fosse inferior a 80%, de acordo com as regras iniciais do Plano São Paulo, lançado no ano passado.

O que muda:

  • Fase de transição tem ocupação máxima menor (25%) do que a laranja (40%).
  • Fase de transição não tem limite de oito horas de funcionamento entre 6h e 20h como a fase laranja.
  • Fase laranja não tem toque de recolher nem sugestão de escalonamento do transporte de funcionários.

O governo anunciou ainda que deverá anunciar, na semana que vem, uma reformulação do Plano São Paulo, para se adequar à nova realidade da pandemia do país, com indicadores mais altos e um percentual da população vacinada.

"Estamos trabalhando nessa revisão do Plano para dar um passo além de controlar a pandemia e termos uma retomada econômica responsável mesmo que tenhamos agora uma esperança com uma nova vacina", afirmou Ellen.

Coronavírus