PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Primeira enfermeira a vacinar adulto e criança quer agora imunizar filha

Jéssica foi a enfermeira que aplicou a primeira vacina contra covid em crianças, em Davi Seremramiwe, e em adultos, em Mônica Callazans, há um ano - Reprodução/Divulgação
Jéssica foi a enfermeira que aplicou a primeira vacina contra covid em crianças, em Davi Seremramiwe, e em adultos, em Mônica Callazans, há um ano Imagem: Reprodução/Divulgação

Leonardo Martins

Do UOL, em São Paulo

14/01/2022 18h39Atualizada em 14/01/2022 19h44

Depois de vacinar o primeiro adulto e a primeira criança contra a covid do Brasil, a enfermeira Jéssica de Camargo, 31, sonha agora em imunizar a própria filha, de dois anos e meio. "Não vejo a hora", afirmou ela, em conversa com UOL, após aplicar hoje em Davi Seremramiwe, 8, a dose do imunizante.

O menino indígena, da etnia xavante, se tornou pelas mãos de Jéssica a primeira criança a ser vacinada no país no início da tarde desta sexta-feira — há quase um ano, foi ela também que aplicou a primeira vacina contra o coronavírus no Brasil no braço da enfermeira Mônica Calazans.

Jéssica, que hoje não atua na campanha de vacinação no estado, sabe que terá de esperar ainda para realizar o sonho de vacinar a filha, Mirella. Por enquanto, a imunização com doses do laboratório Pfizer estará liberada a partir de segunda-feira (17) para crianças de 5 a 11 anos nos postos de saúde de cada cidade — primeiro para as com alguma comorbidade.

Mas, no que depender de Jéssica, será ela mesma a imunizar sua pequena. "Como só podemos vacinar a partir de cinco anos, vamos esperar a faixa etária dela. Mas eu não vejo a hora. Todas as vacinas disponíveis eu dou na minha filha. Até as que não estão no serviço público, depois de indicação da pediatra. Eu sou viciada em vacinas", brinca.

Mesmo pequena, ela já ouve da mãe a importância da vacinação. "Eu mostro fotos, falo, mas ela acaba não entendendo, claro. É pequena. Ela me vê na televisão e sabe que é a mamãe".

A enfermeira se formou em 2012 no curso de enfermagem, na Universidade Cruzeiro do Sul, em São Paulo, e já trabalhou em campanhas de vacinação. Especializou-se na área de vigilância e prevenção de doenças, passou pelo Instituto de Infectologia Emílio Ribas e, em 2016, começou a trabalhar na secretaria estadual de Saúde do governo paulista.

Em 2020, em meio à pandemia de covid-19 que assolava o país, Jéssica de Camargo foi convidada por Regiane de Paula, coordenadora da Coordenadoria de Controle de Doenças, a trabalhar no órgão, e aceitou.

A pasta do governo paulista é responsável pelas ações de vigilância e promoção à saúde, documentação, ensino e divulgação científica. A enfermeira não atua mais em hospitais ou clínicas — é assessora-técnica de Regiane de Paula.

Foi em um dia comum de trabalho que Jéssica foi chamada para a sala de Regiane, que fez o convite e, depois de aceito, estendeu o comunicado: seria Jéssica de Camargo a primeira pessoa a aplicar uma vacina contra a covid-19, em janeiro do ano passado.

"Nunca esperava que fosse ser a primeira a vacinar contra a covid no país. Além de minha chefe, a doutora Regiane é uma grande amiga e devo agradecer muito a ela por isso", conta a enfermeira.

Na vacinação das crianças, ela diz que a honra foi enorme, mas não foi mais surpresa. Diz Jéssica que o próprio governador João Doria (PSDB) já tinha sinalizado que queria ela na estreia de mais uma vacinação no estado.

"Eu estou muito feliz. Com a vacinação das crianças, eu posso dizer que são muitas emoções envolvidas. Já faz um ano desde a primeira vacinação no país. Nós estávamos esperando a liberação mais breve possível porque as crianças dificilmente conseguem seguir os protocolos de saúde", diz Jéssica.

Para ela, a vacinação de crianças aconteceu com atraso. "Tendo em vista que alguns países começaram a vacinar crianças no meio do ano passado, creio que demorou um pouco. Mas nós entendemos que temos de aguardar estudos e recomendações, a Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] é um órgão super-respeitado nas ações de vigilância".Sua filha de dois anos e meio ainda irá esperar um bocado para receber sua dose.

Por sua filha, sua família e todos os brasileiros, Jéssica espera pelo fim da pandemia e cumprimenta seus colegas. "Só tenho a agradecer a todos os profissionais de saúde que estão na linha de frente. Esperamos que com a vacinação de crianças, finalmente, a pandemia possa ser controlada", conclui.

Saúde