Ban Ki-moon pede que israelenses e palestinos ajam rápido para atenuar tensões

Jerusalém, 20 Out 2015 (AFP) - O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, pediu nesta terça-feira em Jerusalém aos dirigentes israelenses e palestinos que ajam rápido para deter uma "perigosa escalada da violência", que continua sem sinais de trégua.

No momento em que Ban chegava para uma visita surpresa de dois dias a Israel e aos Territórios Palestinos, o Exército e a polícia israelenses relatavam novos ataques contra israelenses na Cisjordânia ocupada: um com faca, perto de Hebron, um atropelamento com carro e faca ao sul de Jerusalém.

Quatro israelenses ficaram feridos. Os quatro autores palestinos foram mortos.

Na Faixa de Gaza, um palestino de 27 anos foi morto por disparos israelenses em confrontos ao longo da cerca que delimita o território, informaram os serviços de emergência palestinos. Além disso, soldados israelenses mataram dois palestinos que os atacaram com faca na cidade de Hebron, na Cisjordânia ocupada.

E um israelense morreu em circunstâncias pouco claras, depois de ter tido seu carro atingido por pedras perto de Hebron.

Os conflitos diários opuseram mais uma vez palestinos e soldados israelenses perto de Ramallah, Hebron e Belém.

Nos confrontos, agressões mútuas entre colonos israelenses e palestinos e uma onda de ataques anti-israelenses morreram mais de 42 palestinos, incluindo vários autores de ataques, um árabe-israelense e oito israelenses desde 1º de outubro. Um eritreu, confundido com um agressor, também foi morto.

'Perigoso abismo'Neste contexto, o secretário-geral da ONU expressou com veemência o "alarme" da comunidade internacional frente a uma "perigosa escalada" da situação, durante um encontro com o presidente israelense, Reuven Rivlin.

"Neste período difícil, é preciso dizer: Chega!", defendeu o secretário-geral, acrescentando que o uso excessivo da força "pode provocar frustrações e preocupações que gerem mais violência".

"Se não agirmos rapidamente, a dinâmica no terreno só vai piorar, com graves repercussões em Israel e além de Israel e da Palestina. Ainda não é tarde demais para se evitar uma crise mais profunda", afirmou o chefe da ONU.

"Em minhas reuniões hoje e amanhã com os líderes israelenses e palestinos, vou pedir a todos para que se esforcem" para reduzir os incidentes de ambos os lados, disse.

"Para o futuro dos nossos filhos, devemos escapar deste abismo perigoso", ressaltou, referindo-se à paralisia atual do esforço de paz e reafirmando o compromisso da ONU para uma solução "de dois Estados", israelense e palestino, convivendo em paz.

A comunidade internacional busca com grande dificuldade os meios para conter a nova onda de tensões e um movimento conduzido essencialmente por jovens palestinos exasperados com a ocupação israelense.

Ban se dirigiu a essa juventude para lhes dizer que a compreende e admitiu a "incapacidade da comunidade internacional de pôr fim à ocupação".

"Não lhes peço que sejam passivos, mas devem baixar as armas do desespero", disse Ban em sua mensagem, dirigindo-se aos jovens palestinos.

O secretário-geral também disse compreender a ira dos israelenses "quando as crianças não podem ir à escola, quando qualquer um que caminhe pela rua se torna uma vítima potencial".

"Mas as guerras, os controles, a dureza da reação das forças de segurança e as destruições de casas não vão lhes assegurar paz e segurança", frisou Ban, dirigindo-se aos israelenses.

Ele também pediu às lideranças de ambos os lados que velem pelo respeito às regras que regem a Esplanada das Mesquitas de Jerusalém, fator primordial da atual tensão.

Ban, que deve encontrar ainda esta noite o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e na quarta-feira o presidente palestino, Mahmud Abbas, não evocou publicamente as medidas que poderiam ser tomadas por ambas as partes.

Sua visita revela um esforço diplomático ante o aumento da violência que abala Jerusalém, Israel e os Territórios Palestinos e que faz temer uma nova intifada.

O secretário de Estado americano, John Kerry, deve se encontrar esta semana com Netanyahu, na Alemanha, e com Abbas, na Jordânia.

Nova demolição punitivaNeste sentido, Ban destacou a decepção dos jovens palestinos para com seus líderes. Às lideranças israelenses, ele ressaltou que "muros, postos de controle, a dureza da reação das forças de segurança e a destruição de casas não trarão paz e segurança".

Antes da chegada de Ban Ki-moon e apesar da oposição de dezenas de atiradores de pedras, o Exército israelense anunciou nesta terça que destruiu a casa de um palestino de Hebron, no sul da Cisjordânia. Este homem havia matado uma israelense, em um ataque a faca, no final de 2014.

Durante a demolição da casa de Maher al-Hashlamun aconteceram confrontos entre soldados israelenses e dezenas de palestinos, que atiraram pedras, mas ninguém ficou ferido, segundo testemunhas.

Em março, um tribunal militar israelense condenou o palestino, integrante da Jihad Islâmica, a uma pena de prisão perpétua dupla pelo assassinato de Dalia Lemkus, de 26 anos, residente de uma colônia da Cisjordânia, e pela tentativa de assassinato de outras duas pessoas em 10 de novembro de 2014 em uma rua de Goush Etsion, um conjunto de assentamentos perto de Jerusalém.

Na semana passada, o governo israelense ordenou uma intensificação das demolições de casas, uma medida punitiva em resposta à onda de ataques contra israelenses.

Além disso, na madrugada, soldados israelenses prenderam Hassan Yussef, um dos principais líderes do movimento islamita palestino Hamas.

"Durante a noite, tropas do exército e do Shin Bet (o serviço de segurança interno israelense) prenderam Hassan Yussef, um líder do Hamas, em Beitunia, ao sudoeste de Ramallah", afirma um comunicado militar.

Os serviços de segurança palestinos confirmaram a detenção.

Hassan Yussef, um dos fundadores do Hamas, passou vários anos nas prisões israelenses e foi libertado pela última vez em junho. Ele foi eleito em 2006 ao Parlamento palestino, quando estava na prisão. O Hamas afirma que Yussef sempre trabalhou para o braço político do movimento.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos