Ordem de restrição pode ter desencadeado massacre no Kansas

Washington, 26 Fev 2016 (AFP) - No dia seguinte a um tiroteio que deixou três mortos e 14 feridos no estado de Kansas (centro dos Estados Unidos), os investigadores parecem ter identificado o fator que desencadeou a ação violenta, que terminou com o autor morto pela polícia: uma ordem de restrição.

"Há um motivo", noticiou nesta sexta-feira de manhã a rede de televisão local KWTV, afiliada da emissora nacional CBS, depois que um de seus jornalistas informou que acabara de se reunir com T. Walton, xerife do condado de Harvey.

"Às 15H30 de ontem, o autor dos disparos recebeu uma ordem de restrição", afirmou o xerife durante coletiva de imprensa. "O tiroteio começou perto das 17 horas".

O homem tinha um fuzil automático e uma pistola semi-automática.

O xerife, cujas palavras foram citadas pela KWTV, também informou que 17 pessoas foram alvo dos disparos, três das quais morreram. Catorze pessoas permaneciam hospitalizadas na manhã desta sexta-feira. As vítimas foram escolhidas ao acaso.

A imprensa local identificou o atirador como Cedric Ford, de 38 anos, que trabalhava como pintor na fábrica de cortadores de grama Excel Industriesa, onde ocorreu o tiroteio. Foi ali que ele recebeu a ordem de restrição.

O empreendimento familiar está localizado em Hesston, uma pequena localidade de 3.700 habitantes, situada ao norte de Wichita, a maior cidade do Kansas.

Segundo a mídia, Ford tinha antecedentes criminais, incluindo por roubo e posse ilegal de armas, e havia chegado a pouco tempo de Miami (Flórida, sudeste).

Num primeiro momento, o atirador disparou contra dois motoristas a partir do seu veículo, roubando um furgão de uma das vítimas antes de dirigir até a fábrica para praticar o ataque.

Testemunhas relataram que o agressor atirou, primeiro, em uma mulher no estacionamento da Excel Industries, antes de entrar na área de montagem da empresa e abrir fogo, enquanto as pessoas fugiam em desespero. O homem foi morto pelo primeiro policial que chegou ao local.

As vítimas foram levadas para hospitais da região.

Matt Jarrel, também pintor na Excel, declarou à rede KSNW que se não tivesse visto o homem disparar, "jamais teria imaginado" que seu colega pudesse cometer um ataque deste tipo.

"Era uma pessoa simpática, que conversava com todo mundo", afirmou.

Após o tiroteio, a polícia tentou entrar em sua casa, mas seu coinquilino não permitiu, de modo que um mandado de busca foi necessário. A casa estava vazia, segundo KSNW.

Um homem que afirmou ser tio de uma das vítimas disse que o jovem, de 21 anos, recebeu quatro tiros nas costas. "Eu tinha ouvido falar de tiroteios em cinemas e em outros lugares (...), é horrível", declarou em referência a massacres em massa anteriores no país. "Este menino tinha tudo preparado", acrescentou.

O CEO da Excel Industries, Paul Mullet, disse que estava "muito triste com este episódio horrível", acrescentando que sua empresa iria ajudar as vítimas e suas famílias.

Este é o mais recente tiroteio em massa em um país onde ataques similares são rotineiros.

O anterior aconteceu no sábado, em Michigan (norte), e foi cometido por um motorista da empresa Uber, que matou seis pedestres.

Em 2 de dezembro, um casal americano de origem paquistanesa radicalizado matou 14 pessoas e feriu outras 22 em San Bernardino, Califórnia.

Nos Estados Unidos são registradas cerca de 30.000 mortes com armas de fogo a cada ano. Em 2015, foram 330 tiroteios em massa no país, o que corresponde a cerca de um por dia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos