Opositor venezuelano Capriles é alvo de investigação da PGR

Caracas, 29 Fev 2016 (AFP) - A Procuradoria Geral da República da Venezuela abriu uma investigação administrativa contra o governador e ex-candidato à presidência Henrique Capriles, que lidera a campanha para um referendo revogatório do mandato do presidente Nicolás Maduro, informou nesta segunda-feira uma fonte oficial.

Capriles atribuiu a medida a uma represália do governo por sua participação na campanha visando tirar Maduro do poder antes do final do mandato, que se estende até 2019.

"Eles sabem que perderam nas ruas, que não têm o povo, e então iniciaram esta nova represália contra nós. O que parece é que o governo teme o referendo revogatório, porque assim que começamos a percorrer o país para promover a consulta, a cúpula do governo determinou esta investigação", declarou Capriles.

A Procuradoria abriu a investigação contra o governo de Miranda, envolvendo Capriles e outros quatro funcionários da administração regional, por execuções orçamentárias em 2011, 2012 e 2013.

Antes da campanha para as eleições legislativas de 6 de dezembro passado, o órgão impugnou sete candidatos opositores por supostas irregularidades durante exercício de cargo público.

"Estamos abertos a qualquer investigação. Quem não deve não teme. Não vão nos intimidar", assinalou Capriles, que foi derrotado por Maduro nas presidenciais de 2013 por estreita margem.

No dia 19 de fevereiro passado, Capriles iniciou a chamada "cruzada" para promover o referendo revogatório para antecipar a saída de Maduro do poder.

A coalizão opositora anunciará na próxima quinta-feira o caminho que escolherá para reduzir o mandato de Maduro, e entre as medidas analisadas estão uma emenda constitucional para encurtar seu período presidencial, uma Assembleia Constituinte e uma declaração de "abandono do cargo" por descumprimento de atribuições.

Capriles planeja promover simultaneamente o referendo e a emenda constitucional.

A Constituição venezuelana prevê o referendo revogatório após o cumprimento da metade do mandato presidencial, o que no caso de Maduro ocorrerá no dia 19 de abril.

O Conselho Nacional estabelece que as quatro milhões de assinaturas necessárias para ser convocar o referendo devem ser obtidas em no máximo três dias.

Nesta segunda-feira, o número dois do governo, Diosdado Cabello, afirmou que as tentativas da oposição para encurtar o mandato de Maduro vão fracassar.

"Não temos qualquer dúvida de que todas estas iniciativas fracassarão", disse Cabello em entrevista coletiva do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV).

"No dia 15 de janeiro de 2017 Nicolás Maduro estará prestando contas de sua administração diante da Assembleia Nacional. Neste dia vocês irão se lembrar do que eu disse".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos