Bispos católicos da Pensilvânia ocultaram casos de pedofilia

Em Nova York

Dois bispos dos Estados Unidos ajudaram a encobrir centenas de casos de abusos sexuais cometidos por 50 padres e religiosos católicos na Pensilvânia durante quatro décadas, afirmou nesta terça-feira (1º) a justiça estadual.

O relatório da justiça, de 147 páginas, indica que há evidências para afirmar que os bispos James Hogan e Joseph Adamec, diretores da diocese de Altoona-Johnstown entre meados de 1960 e 2011, sabiam das múltiplas denúncias de pedofilia, e que também agiram para evitar que a polícia e os promotores prendessem os padres pedófilos.

Este comportamento colocou em perigo milhares de crianças e permitiram que os predadores sexuais abusassem de mais vítimas, disse Kathleen Kane, procuradora-geral do estado da Pensilvânia, escritório que emitiu o relatório.

"Os crimes hediondos sofridos por essas crianças são absolutamente inconcebíveis", insistiu Kane. "Esses predadores violaram um sacramento caçando suas vítimas em locais onde deveriam estar seguras", acrescentou.

"O mais preocupante é o encobrimento perpetrado por estes líderes do clero, que permitiram que os abusos continuassem por décadas".

"Falharam com a sociedade na tarefa mais importante de todas: a proteção das nossas crianças", ressaltou.

Nenhum dos atos detalhados no relatório podem resultar em processo porque os agressores morreram, as vítimas estão traumatizadas demais para testemunhar e os crimes prescreveram, segundo os promotores.

O relatório, que é o resultado de dois anos de investigação, vai continuar.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos