Salah Abdeslam não coopera mais com os investigadores

Bruxelas, 25 Mar 2016 (AFP) - O principal suspeito dos atentados de Paris, Salah Abdeslam, preso no dia 18 de março em Bruxelas, recusa-se a cooperar com os investigadores desde os ataques na terça-feira na capital belga, indicou nesta sexta-feira o ministro da Justiça, Koen Geens.

"O procurador federal acaba de me informar que Salah Abdeslam não quer falar desde os ataques de Zaventem e do metrô de Bruxelas", que fizeram 31 mortos e cerca de 300 feridos, declarou Geens durante uma reunião de uma comissão parlamentar sobre o terrorismo.

O procurador federal belga, Frédéric Van Leeuw, contava com a colaboração de Abdeslam para montar as peças de um quebra-cabeça que está "longe de terminar", segundo afirmou na segunda-feira.

Se Salah "Abdeslam decidir (...) nos dar algumas explicações, esclareceria algumas zonas cinzentas", principalmente "sobre o papel de cada protagonista", explicou o procurador.

Desde a prisão de Abdeslam, seu advogado Sven Mary tem escondido o jogo sobre suas intenções.

Ele começou por dizer que o seu cliente não queria ser entregue à justiça francesa, alegando que "valia ouro" para os investigadores belgas.

Mas na terça-feira, após os ataques de Bruxelas, Abdeslam teria se recusado a falar com os investigadores e que desejava "partir para a França o mais rapidamente possível",

"Ele compreendeu que aqui é apenas a ponta do caso. Ele quer se explicar na França, é uma coisa boa", afirmou o advogado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos