Coreia do Norte inaugura o primeiro congresso do partido único em 40 anos

Em Seul

  • Kim Kwang Hyon/AP

    Homem passa por outdoors que anunciam congresso do partido único em Pyongyang, na Coreia do Norte

    Homem passa por outdoors que anunciam congresso do partido único em Pyongyang, na Coreia do Norte

A Coreia do Norte se prepara nesta quinta-feira (5) para inaugurar o maior congresso do partido único no poder em quase 40 anos, com um possível quinto teste nuclear como pano de fundo.

O dirigente máximo Kim Jong-un pronunciará um discurso muito esperado durante a abertura na sexta-feira do Congresso do Partido dos Trabalhadores da Coreia.

Este congresso será observado de perto pelos analistas para detectar possíveis mudanças na linha de política ou reajustes na elite do poder, em um Estado que causa preocupação por estar dotado de armamento nuclear.

O evento permitirá - após quatro anos de purgas, reformas e execuções no topo da hierarquia - pavimentar formalmente a condição de Kim Jong Un como líder supremo e inquestionável da Coreia do Norte.

Kim Jong-un, de 33 anos, não havia nascido quando foi celebrado o último congresso, em 1980, y que consagrou seu falecido pai, Kim Jong-il, como herdeiro do fundador desta ditadura dinástica, Kim Il-sung.

Não foram revelados detalhes sobre a reunião, nem sobre sua duração, mas o certo é que deverá reafirmar o poder frente ao regime de Kim Jong-un, classificado pela imprensa estatal norte-coreana de o "Grande Sol do século 21".

Após a morte de seu pai em dezembro de 2011, muitos analistas não acreditavam nas possibilidades de Kim Jong-Un. Consideravam que o jovem, que estudou na Suíça, não tinha as costas suficientemente largas para sobreviver aos maquiavélicos meandros políticos da Coreia do Norte.

Mas Kim provou o contrário e conseguiu eliminar todos aqueles que considerava desleais dentro do partido, do governo e do Exército.

Ele acabou com a estratégia "songun" (o exército primeiro) de seu pai e a substituiu pelo "byungjin", que consiste em realizar ao mesmo tempo o desenvolvimento econômico e os programas nucleares e balísticos.

Para o "Rodong Sinmun", jornal oficial do partido, o congresso é um acontecimento quase "sagrado", que permitirá elogiar as conquistas de Kim, tanto na infraestrutura como por seus programas nuclear e balístico.

Pyongyang está submetida a sanções do Conselho de Segurança da ONU e é objeto de duras críticas pela situação na área de direitos humanos. Além disso, o país considera que está ameaçado pelos exercícios militares conjuntos da Coreia do Sul e Estados Unidos.

Mas, para o jornal, há muito a festejar: ao mencionar o arsenal nuclear como uma "espada preciosa", o Rodong Sinmun explica que estas armas são um "feliz tesouro que permitirá muitas coisas nas próximas décadas".

Os especialistas especulam sobre um possível quinto teste nuclear de Pyongyang, pouco antes - ou até mesmo durante -, o congresso, para reafirmar ao mundo o status de potência nuclear da Coreia do Norte.

Pyongyang executou no dia 6 de janeiro seu quarto teste nuclear, seguido em fevereiro de um lançamento de foguete e depois por testes de mísseis de curto e médio alcance.

Analistas acreditam que Kim pode anunciar que o país já dispõe de uma força de dissuasão nuclear, o que permitiria um foco maior no desenvolvimento econômico.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos