Reino Unido caminha para Brexit e provoca pânico nos mercados

Londres, 24 Jun 2016 (AFP) - O Reino Unido se aproximava nesta sexta-feira da saída da União Europeia, com 52% dos votos favoráveis ao Brexit, após a apuração em 304 dos 382 distritos eleitorais do referendo realizado na véspera, o que provoca pânico nos mercados.

As redes de comunicação britânicas BBC e Sky já admitiam a vitória dos partidários da saída da UE, em um referendo que teve a participação de 72,2% do eleitorado.

O líder do Brexit Nigel Farage se declarou confiante na saída da UE diante da tendência da apuração: "agora me atrevo a sonhar com um Reino Unido independente".

"Se a tendência (da apuração) for confirmada, será a vitória da verdade, da gente simples", disse Farage. "Faremos isto por toda a Europa. Espero que esta vitória derrube este projeto falido e nos leve a uma Europa de Nações soberanas".

"Vamos nos livrar desta bandeira (europeia), de Bruxelas e de tudo que fracassou. Façamos deste 23 de junho nosso dia da independência", declaou Farage.

A ducha de água fria na UE começou em Newcastle, primeira cidade a divulgar resultados, onde a permanência venceu por pequena margem, mas muito inferior às previsões favoráveis à permanência, com 50,7% contra 49,3%.

Já em Sunderland, outra cidade do norte da Inglaterra, a saída do grupo europeu ganhou com ampla vantagem, por 61,34%, contra 38,66%.

Escócia e as grandes cidades votaram pela permanência na UE, inclusive superando as previsões, mas regiões inteiras do centro e do sul da Inglaterra, e o País de Gales, apoiaram em massa pela saída do Bloco.

Londres, Glasgow, Aberdeen e Liverpool votaram a favor da UE, mas cidades de tradição operária e portos pesqueiros deram um rotundo 'não' à permanência na UE.

A tendência da apuração derrubou a libra esterlina, que era cotada a 1,5 dólar no fechamento das urnas e caiu para 1,34 dólar no final da manhã desta sexta-feira nos mercados asiáticos, o menor valor desde 1985.

Os mercados asiáticos foram dominados pela instabilidade, com a Bolsa de Tóquio abrindo em alta de 0,59%, mas revertendo a tendência para cair 5% com os primeiros resultados oficiais.

As casas de apostas britânicas mudaram sua tendência na madrugada de sexta-feira e passaram a antecipar a vitória do Brexit.

Após o fechamento das urnas, às 21h00 GMT (18h00 Brasília), as casas de apostas de Londres apontavam (90%) a vitória da permanência do Reino Unido na União Europeia, mas algumas horas depois a tendência era de 60% a favor da saída do Bloco.

Após dois meses de uma campanha dura e tensa, que teve como momento mais dramático o assassinato da deputada trabalhista e pró-UE Jo Cox, 46,5 milhões de eleitores responderam a seguinte pergunta: "O Reino Unido deve permanecer como membro da União Europeia, ou abandonar a União Europeia"?

Os locais de votação abriram as portas às 7h (3h de Brasília) e fecharam às 22h (18h de Brasília), ao que se seguiu o início da contagem de votos.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, que convocou o referendo e joga seu futuro político na consulta, votou no centro de Londres bem cedo e não fez declarações.

Nunca um grande país abandonou a UE desde o nascimento do projeto europeu nos anos 1950, quando as nações ainda viviam sob os escombros da Segunda Guerra Mundial, e metade do continente era governado por ditaduras. Atualmente, a UE engloba 28 países democráticos.

O Reino Unido entrou para o bloco em 1973 e, dois anos depois, organizou um referendo para calar os eurocéticos, com vitória da permanência. A votação desta quinta-feira dificilmente encerrará esse debate.

"Estamos em território desconhecido", afirmou o professor Chris Bickerton, da Universidade de Cambridge e autor de "The European Union: A Citizen's Guide".

"A saída seria um golpe muito duro para UE. Há muito tempo a moral não estava tão baixa em Bruxelas", completou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos