Espanha terá primeiro julgamento por bebês roubados do franquismo

Em Madri

  • Getty Images

Um ex-ginecologista será julgado em Madri por ter supostamente raptado uma recém-nascida e entregado a outra mulher, um crime que teria se repetido milhares de vezes durante a ditadura franquista de 1939 a 1975.

Segundo um documento recebido nesta terça-feira pela AFP, um tribunal de Madri autorizou o processo de Eduardo Vela, o primeiro pelo escândalo dos bebês roubados, que teria começado pouco depois da chegada ao poder do general Francisco Franco, e que foi revelado em 2010.

Médicos e enfermeiras roubavam bebês de pais considerados "inimigos políticos" do novo regime, ou nascidos fora do casamento, para entregá-los a famílias simpatizantes do franquismo. A prática depois se estendeu a bebês nascidos em famílias pobres.

Vela é suspeito de ter participado, em 1969, do roubo de Inés Madrigal, que o acusa de falsificar sua certidão de nascimento para que a sua mãe adotiva, já falecida, aparecesse no documento como sua progenitora.

Ainda será determinada a data do julgamento de Vela, atualmente octogenário e acusado de rapto de crianças e de falsidade em documento oficial, entre outros delitos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos