Homem suspeito de querer cometer um ataque terrorista é preso em Londres

Londres, 27 Abr 2017 (AFP) - Um homem armado com facas e suspeito de querer cometer um ataque terrorista foi preso nesta quinta-feira em Londres, perto do Parlamento de Westminster, palco de um ataque em março, informou a polícia.

Com 27 anos, o homem foi detido "por suspeita de posse de armas" e "suspeita de preparação e realização de atos de terrorismo", indicou a Scotland Yard em um comunicado. Ele foi colocado sob custódia.

Questionado pela AFP, um porta-voz da Scotland Yard afirmou que ninguém ficou ferido no incidente, que não apresenta mais "ameaça imediata".

A polícia comunicou que várias facas foram encontradas com o jovem. Fotos de um jornalista da AFP mostram três grandes facas no local do incidente, em torno do qual agentes trabalham.

A prisão ocorreu no cruzamento entre a Parliament Street e a Parliament Square, perto do Parlamento de Westminster, cenário de um ataque mortal em 22 de março.

Ao redor, a polícia estabeleceu um perímetro de segurança e interrompeu o tráfego na direção da Parliament Street, em direção ao 10 Downing Street, a residência dos primeiros-ministros britânicos.

- Perímetro de segurança - Alguns policiais vestindo coletes à prova de balas estavam presentes ao redor do perímetro de uma centena de metros estabelecido para permitir o trabalho de perícia.

Os agentes da perícia analisaram meticulosamente e depois abriram a mochila do suspeito. Pouco após às 16h00 (12h00 de Brasília) terminaram o trabalho e se preparavam para deixar o local em uma van cinza.

Em 22 de março, um homem avançou com seu veículo contra a multidão que caminhava pela ponte de Westminster, que atravessa o rio Tamisa em frente ao Big Ben, antes de esfaquear fatalmente um policial na entrada do Parlamento.

O ataque fez cinco mortos no total. Seu autor, Khalid Masood, um cidadão britânico convertido ao Islã, foi abatido a tiros.

Doze pessoas foram detidas após o atentado, mas foram todas liberadas sem acusação.

O ataque foi reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI), mas a Scotland Yard afirmou que não havia "encontrado evidências de uma associação" entre Masood com o EI ou a Al-Qaeda, nem provas de que tenha se radicalizado na prisão.

O homem, no entanto, tinha "claramente um interesse pela jihad", segundo informou uma autoridade do serviço de combate ao terrorismo, Neil Basu.

"É possível que jamais compreendamos as razões que o levaram a fazer isso", acrescentou ele, enquanto muitas testemunhas foram convocadas a depor e milhares de documentos foram apreendidos.

Entre 1983 e 2003, Adrian Russell Ajao, conhecido como Adrian Elms ou Khalid Masood, foi condenado em várias ocasiões por agressão, posse ilegal de armas e perturbação da ordem pública.

Bur-apz/oaa/lpt/mr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos