Coreia do Norte: teste com míssil balístico foi bem-sucedido

Seul, 30 Mai 2017 (AFP) - A Coreia do Norte confirmou ter realizado um teste de míssil balístico e garantiu que a operação foi bem-sucedida - anunciou a agência de notícias KCNA nesta terça-feira (30), após a queda desse foguete no Mar do Japão na véspera.

O líder norte-coreano, Kim Jong-Un, "dirigiu" o lançamento - o terceiro teste de míssil feito por Pyongyang em menos de três semanas -, em mais um desafio às ameaças de novas sanções por parte da ONU e às advertências americanas sobre uma possível ação militar.

"O foguete balístico voou até o leste, onde nasce o dia, e impactou corretamente o ponto desejado, após voar a metade da distância de seu alcance", noticiou a agência oficial norte-coreana.

Fontes militares sul-coreanas tinham indicado que o míssil, do tipo Scud, percorreu 450 km rumo ao leste antes de cair no mar. O Japão informou, por sua vez, que o projétil caiu dentro de sua zona econômica exclusiva, a qual se estende até 200 milhas náuticas de sua costa.

O disparo do míssil provocou uma condenação enérgica do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. O americano declarou que o lançamento foi uma falta de respeito com a China, principal aliado de Pyongyang, que tenta dissipar as tensões geradas pelas aspirações nucleares de seu vizinho.

Pacotes sucessivos de sanções da ONU foram, até o momento, infrutíferos para deter as ambições do regime comunista norte-coreano.

Pyongyang diz querer desenvolver um míssil balístico intercontinental capaz de atingir o território continental dos Estados Unidos com uma ogiva nuclear. Seu líder alega que o regime precisa de armas nucleares para se proteger da ameaça de uma invasão.

- Indignação do JapãoO último lançamento de míssil aconteceu perto da cidade costeira de Wonsan, na Coreia do Norte, às 5h09 locais de segunda (18h39 de domingo em Brasília), indicou Seul.

O chefe de gabinete do Japão, Yoshihide Suga, afirmou que seu país "nunca poderá tolerar as ações provocadoras da Coreia do Norte".

Em Washington, o Comando do Pacífico americano informou que o míssil de curto alcance foi rastreado durante seis minutos até que caiu no mar do Japão. Não foi considerado uma ameaça para a América do Norte.

O novo presidente sul-coreano, Moon Jae-In, convocou uma reunião do Conselho de Segurança Nacional para abordar o disparo, indicou Yonhap.

No sábado, os dirigentes do G7 classificaram os testes nucleares e de mísseis norte-coreanos de "ameaça grave" e se mostraram dispostos a tomar medidas a esse respeito.

Principal aliado e sócio comercial da Coreia do Norte com poder de veto no Conselho de Segurança da ONU, a China prefere, porém, travar um diálogo diplomático com Pyongyang, e não impor novas sanções.

Os Estados Unidos disseram não descartar a possibilidade de negociação, mas exigem o fim dos testes como condição.

Desde o início do ano, Pyongyang fez dois testes nucleares e dezenas de lançamentos de mísseis, apesar das significativas sanções econômicas impostas pela ONU.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos