PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Museu de arte palestina abre as portas nos EUA

30/04/2018 17h52

Woodbridge, Estados Unidos, 30 Abr 2018 (AFP) -

Um povoado bucólico de Connecticut pode ter pouco ou nada em comum com o Oriente Médio, mas é o lar de um novo museu de arte que espera mudar a atitude dos americanos em relação aos palestinos.

Woodbridge, uma comunidade perto da Universidade de Yale, 128 km ao norte de Nova York, está longe do circuito dos museus e cartazes luminosos da grande cidade, ao menos por enquanto.

Com um orçamento de apenas meio milhão de dólares provido por seu fundador, um empresário palestino-americano determinado a fundar o primeiro museu de arte palestina nos Estados Unidos, já é uma conquista que a instituição tenha sido inaugurada.

O iminente aniversário de 70 anos de Israel, a futura transferência da embaixada americana a Jerusalém, a relação próxima de Washington com o Estado judeu, os passados atentados suicidas e manchetes sobre ataques a facadas lançam sombras sobre grande parte do discurso americano em relação ao conflito israelense-palestino.

"A imprensa e as forças que não são amistosas com a Palestina pintaram os palestinos com uma luz muito negativa e de alguma forma fomos desumanizados", disse à AFP o fundador do museu, Faisal Saleh, de 66 anos.

Sua esperança é que os americanos visitem o museu e descubram que os palestinos têm um rico legado artístico.

"Temos nossos próprios artistas, assim como todo o resto do mundo, e temos um número desproporcional", afirmou. "Muitos deles trabalham em condições muito austeras".

Bautizada de Palestine Museum US, a instituição abriu as portas pela primeira vez no domingo, único dia da semana em que permanecerá aberta por enquanto, com entrada grátis e uma equipe integrada por voluntários. Abriga mais de 70 obras de arte, 100 fotografias, coleções de bordados, vestimentas e várias instalações modernas.

Embora trate sobre a arte, não a guerra, e não forneça muitos dados sobre o conflito israelense-palestino em si, o desejo pelo território, a paz e a autodeterminação permeiam grande parte das obras.

As espaçosas galerias do museu, que apresentam a obra de 29 artistas, expõe no início velhas fotografias de Jerusalém sob o mandato britânico, e depois pinturas contemporâneas e abstratas.

"Esperamos que em breve outros empresários palestinos se unam a nós e financiem o objetivo final, que é criar um museu muito maior em uma grande cidade como Nova York ou Washington DC", afirmou o fundador.

Internacional