Médicos que atenderam os Skripal acreditavam que eles não sobreviveriam

Londres, 29 Mai 2018 (AFP) - Os médicos que trataram o ex-espião russo Serguei Skripal e sua filha Yulia após o ataque com arma química sofrido na cidade inglesa de Salisbury acreditavam que a recuperação da dupla seria impossível, explicaram à BBC.

Os dois foram encontrados inconscientes em um banco de rua em 4 de março. No início, os médicos pensaram que haviam sofrido uma overdose de drogas.

"Tudo indicava que eles não sobreviveriam", explicou o Dr. Stephen Jukes, do Hospital Distrital de Salisbury (sudoeste), em um programa que será transmitido nesta terça-feira.

Serguei Skripal recebeu alta em 18 de maio e sua filha Yulia em 11 de abril. Londres acusou Moscou de estar por trás do ataque cometido com um agente nervoso do tipo Novichok, que é fabricado em laboratórios militares russos.

Os médicos explicaram que toda a atenção inicial se concentrou em mantê-los vivos.

Para isso, eles foram fortemente sedados e receberam medicamentos destinados a restaurar a produção natural de uma enzima chave.

Quando o policial Nick Bailey, o primeiro a atender os Skripal, foi internado no hospital com sintomas semelhantes, os médicos temiam que a situação escapasse ao controle.

"Havia preocupação com a extensão do ataque", disse Lorna Wilkinson, diretora de enfermagem do hospital.

O policial também sobreviveu e foi o primeiro dos três feridos a receber alta.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos