PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Acompanhe o 'caso Skripal'

05/07/2018 09h31

Paris, 5 Jul 2018 (AFP) - Confira abaixo as principais etapas do 'caso Serguei Skripal', desde o envenenamento do ex-agente russo e de sua filha Yulia, em 4 de março, no Reino Unido:

- O ataque em Salisbury - Em 4 de março, Skripal, de 66 anos, e sua filha, de 33, são encontrados inconscientes em um shopping de Salisbury (sul da Inglaterra). São internados em estado grave, assim como o policial que teve contato com eles.

Em 2006, esse ex-coronel do serviço de Inteligência do Exército russo havia sido condenado na Rússia por "alta traição", acusado de vender informação para os britânicos.

Em 2010, beneficiou-se de uma troca de prisioneiros organizada entre Moscou, Londres e Washington e se instalou na Inglaterra.

Em 7 de março passado, a Polícia revela que Skripal e sua filha foram envenenados por um agente altamente neurotóxico. Segundo as autoridades britânicas, o agente neuroparalítico da família "Novichok" procede de um programa químico nuclear soviético.

- Londres acusa, Moscou se indigna -No dia 12, a primeira-ministra britânica, Theresa May, acusa Moscou - a "única explicação plausível". Moscou rejeita as acusações e fala de "provocação".

Os Estados Unidos apoiam Londres, seguido pouco depois por França e Alemanha.

No dia 14, Londres anuncia represálias contra a Rússia e a expulsão de 23 diplomatas russos.

No dia 15, Londres, Paris, Berlim e Washington acusam Moscou, em uma declaração conjunta.

No dia seguinte, Londres considera "extremamente provável" que o presidente russo, Vladimir Putin, tenha "ordenado" pessoalmente o envenenamento - acusação "imperdoável", segundo a Rússia.

- Réplica russa -No dia 17, véspera da eleição presidencial russa, Moscou anuncia a expulsão de 23 diplomatas britânicos, o fechamento do British Council e do consulado britânico em São Petersburgo.

Uma vez reeleito, Putin chama as acusações ocidentais de "disparate".

- Especialistas da OPAQ -No dia 20, especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) chegam ao Reino Unido para coletar amostras do veneno utilizado.

Moscou afirma, no dia 21, que o envenenamento de Skripal é um "ataque terrorista", ou uma encenação de Londres.

- Expulsões cruzadas -Em 26 e 27 de março, Washington e 18 países da União Europeia (UE), além de Ucrânia, Canadá, Noruega e Austrália anunciam a expulsão de 122 diplomatas russos, entre eles 60 "espiões" nos Estados Unidos.

Em 29 e 30, Moscou rebate, com medidas idênticas, sobre um número equivalente de diplomatas desses países.

O estado de Yulia Skripal "melhora rapidamente", segundo o hospital, mas seu pai continua em condição crítica.

- Sem provas -Em 3 de abril, o laboratório britânico de Porton Down admite não ter provas de que a substância utilizada provenha da Rússia. O Kremlin pede a Londres para "apresentar desculpas".

No dia 4, Moscou acusa os serviços secretos britânicos e americanos de terem envenenado o ex-agente.

- Mais dois casos -A Polícia anuncia, em 4 de julho, que dois britânicos encontrados em estado crítico a 15 quilômetros de Salisbury - onde Skripal e sua filha foram envenenados em março - estiveram expostos ao mesmo agente neurotóxico, o Novichok.

"Não há prova" de que o homem e a mulher, Charlie Rowley e Dawn Sturgess, ambos de 44 anos, "tenham sido alvo de algum ataque", de acordo com a Polícia.

"É o mesmo agente. Os especialistas determinarão se vem do mesmo lote", diz a Polícia.

A Polícia antiterrorista assume a investigação, assim como no caso Skripal, embora ainda não haja um vínculo entre os dois casos.

doc-fm-ang/dar/ple/me/zm/tt

Internacional