PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Exército birmanês acusa rebeldes de ataque apesar do cessar-fogo

28/12/2018 08h19

Yangon, 28 dez 2018 (AFP) - O exército de Mianmar, que havia anunciado um cessar-fogo com os grupos étnicos do país antes do Natal, acusou nesta sexta-feira os rebeldes por um ataque contra uma de suas colunas no norte do país, que deixou vários mortos.

"Em um momento no qual o exército interrompeu suas atividades militares, tropas do Shan State Army (SSA), atacaram uma coluna militar estacionada na região de Mongpan na quinta-feira", afirma um comunicado do Estado-Maior.

O comunicado cita "vários mortos e feridos" entre os soldados, sem revelar mais detalhes.

Nenhuma fonte do Shan State Army (SSA), oficialmente denominado Restoration Council of Shan State (RCSS), foi localizado até o momento para apresentar sua versão dos fotos.

O exército birmanês negou as informações divulgadas pela imprensa local sobre combates na zona de Kutkai, na mesma região, em 24 e 25 de dezembro, com o mesmo grupo rebelde.

No dia 21 de dezembro, o grupo anunciou em 21 de dezembro a suspensão durante quatro meses de todas as operações militares nas regiões rebeldes do norte e do leste de Mianmar.

Mas a rápida ruptura do cessar-fogo coloca em dúvida as opções de levar os grupos rebeldes étnicos a um processo de paz, estagnado há vários anos.

As regiões de fronteira do norte e leste birmanês são vítimas de conflitos armados desde a independência da ex-colônia britânica em 1948. Milhares de pessoas vivem nas zonas de conflito foram deslocadas.

O anúncio de cessar-fogo não afeta o estado de Rakhine (oeste), onde a repressão militar forçou em 2017 quase 270.000 muçulmanos rohingyas a fugir de Bangladesh.

hla-dth/hh/bc/me/fp

Internacional