PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus: Milhares de viajantes deixam Wuhan após fim do confinamento

Pessoas fazem fila na estação ferroviária de Wuhan, na China - NOEL CELIS / AFP
Pessoas fazem fila na estação ferroviária de Wuhan, na China Imagem: NOEL CELIS / AFP

07/04/2020 17h45

Milhares de pessoas correram na noite desta terça-feira para a estação ferroviária de Wuhan, depois que autoridades levantaram a proibição de deixar a cidade onde surgiu a pandemia do novo coronavírus, no fim de dezembro.

A 0h desta quarta-feira (16h GMT de terça), foram suspensas as restrições impostas há mais de dois meses que impediam a saída da cidade, de 11 milhões de habitantes, um passo fundamental para o fim da crise de saúde na China.

"Wuhan perdeu muito nesta epidemia e a população pagou um preço muito alto", disse Yao, 21, que retornava a Xangai para trabalhar em um restaurante. "Agora que o confinamento foi levantado, acredito que estamos todos muito felizes."

O governo espera que cerca de 55 mil pessoas deixem a cidade nesta quarta-feira. O novo coronavírus converteu Wuhan na primeira cidade do mundo a ser submetida a um confinamento draconiano, que afeta, agora, cerca da metade da população mundial.

- Faz tempo que não te vemos -

Meios de comunicação chineses comemoraram a suspensão da proibição de viajar com manchetes que estampavam: "Wuhan, faz tempo que não te vemos."

Hubei e a capital provincial, Wuhan, foram as mais afetadas pela pandemia. Agentes lembravam os passageiros das medidas de higiene e da necessidade de manter um distanciamento de um metro, enquanto alto-falantes transmitiam mensagens chamando Wuhan de "cidade de heróis".

O novo coronavírus apareceu na cidade no fim de 2019. Muitos dos casos pareciam vinculados a um mercado de mariscos que vendia animais silvestres.

Hoje foi a primeira vez que a China informou que não houve mortes relacionadas à Covid-19. Mas autoridades temem uma nova onda de contágios, a partir de pessoas procedentes do exterior.

Os moradores de Hubei permaneceram confinados até cerca de duas semanas atrás, quando as restrições começaram a ser suavizadas, o que permitiu a retomada das viagens para outras partes da China. Mas autoridades esperaram até hoje para permitir a saída dos viajantes presos em Wuhan, apesar do temor, no restante do país, de que eles possam ser vetores do novo coronavírus.

Internacional