PUBLICIDADE
Topo

Perfil de Trump é 1º resultado ao se buscar 'racista' em inglês no Twitter

Perfil de Trump é 1º resultado ao se buscar "racista" em inglês no Twitter - reprodução/Twitter
Perfil de Trump é 1º resultado ao se buscar 'racista' em inglês no Twitter Imagem: reprodução/Twitter

em Washington (EUA)

03/06/2020 22h09

O perfil do presidente Donald Trump no Twitter aparece no topo dos resultados de usuários ao se pesquisar a palavra "racista" (escrita em inglês, "racist"), de acordo com uma publicação do jornal britânico The Independent, verificada pela AFP.

A sugestão da rede social demonstra a indignação em torno do presidente, que tem mais de 80 milhões de seguidores, embora haja dúvidas sobre quantos usuários são verdadeiros.

Analistas indicaram que o resultado ocorre porque os opositores de Trump no Twitter se acostumaram a se referir a ele como racista, embora a rede social não confirme ou negue que a indicação esteja correta.

Trump enfrentou fortes críticas por seus comentários durante os protestos contra a brutalidade policial, mas sempre negou ser racista.

O Twitter ofereceu poucas explicações, observando apenas que seus algoritmos de busca refletem o que está acontecendo na plataforma.

Em meio a uma guerra com as mídias sociais, que classifica como censura às vozes conservadoras, Trump assinou recentemente uma ordem executiva pedindo mais supervisão das plataformas de Internet, uma medida que seria de difícil aplicação.

Greg Sterling, editor-colaborador do site Search Engine Land, disse que o resultado sugere que "muitas pessoas estão usando as palavras 'racista' ou 'racismo' para responder ou descrever Donald Trump, ou que há um esforço conjunto para associar a conta de Trump a esses termos".

Também é possível que muitas pessoas que defendem Trump de acusações de racismo também usem a palavra 'racista' em suas respostas —como fariam para dizer "Trump não é racista", por exemplo.

trump - Alex Wong/Getty Images - Alex Wong/Getty Images
Imagem: Alex Wong/Getty Images

Sterling disse que o algoritmo de classificação do Twitter para tuítes individuais "usa uma variedade de informações, incluindo a data em que o tuíte foi publicado, sua relevância (personalização), o envolvimento do usuário com o tuíte, a presença de formatos adicionados (vídeo ou imagens) e muitas outras variáveis ".

No entanto, o analista observou que em 2007, um esforço conjunto conhecido como "bombardeio do Google" foi capaz de manipular os resultados da pesquisa do então presidente George W. Bush, para associá-lo ao termo "fracasso miserável" no mecanismo de busca até que a falha foi corrigida.

Kjerstin Thorson, professor de política e mídia social da Michigan State University, disse que entender as razões da associação e do racismo de Trump exigiria uma análise detalhada.

Embora tenha observado que "não é improvável que isso possa ser uma representação precisa do que as pessoas estão dizendo" no Twitter e que provavelmente não é tendencioso.

"As plataformas se esforçaram para evitar qualquer aparência de inclinação", disse ele.

Internacional