PUBLICIDADE
Topo

Eleições Americanas

Esse conteúdo é antigo

Biden e Trump travam batalha em estados-chave a 21 dias das eleições

O democrata Joe Biden e o republicano Donald Trump, adversários nas eleições de 2020 nos EUA - Jim Watson e Brendan Smialowski/AFP
O democrata Joe Biden e o republicano Donald Trump, adversários nas eleições de 2020 nos EUA Imagem: Jim Watson e Brendan Smialowski/AFP

14/10/2020 06h08

Johnstown, Estados Unidos, 14 Out 2020 (AFP) - Donald Trump afirmou ontem para uma multidão na Pensilvânia que luta contra "marxistas" e "lunáticos", enquanto seu rival nas eleições presidenciais de novembro, o democrata Joe Biden, o acusou na Flórida, outro estado-chave, de ter tratado os americanos como "prescindíveis" durante a pandemia de covid-19.

A apenas 21 dias das eleições, em 3 de novembro, e em desvantagem nas pesquisas, Trump disparou todo o arsenal de exageros contra os democratas e insultou Biden.

Ele afirmou que o ex-vice-presidente estava "assustado como um cão" durante o debate entre ambos e o chamou de "louco" mentalmente, além de ter declarado que o democrata é um peão dos comunistas.

"Está entregando o controle a socialistas e marxistas e aos extremistas da esquerda", disse Trump em Johnstown. "Não consegue enfrentar os lunáticos que dirigem seu partido".

Trump, de 74 anos, foi ainda além em sua narrativa de que Biden, três anos mais velho, é muito frágil para ser presidente ao tuitar uma foto falsa que mostra o candidato democrata em uma cadeira de rodas, cercado de idosos em cadeiras de rodas.

"Biden para presidente", afirma a legenda, mas com o "p" riscado para criar a palavra "residente".

A 'piada' com os idosos enfermos contrasta com as dificuldades aparentes —segundo algumas pesquisas— do presidente para reter a lealdade dos adultos mais velhos, uma parte importante do eleitorado.

Em Johnstown, presidente republicano tentou retomar a imagem de 'outsider' de 2016 e repetiu que está lutando contra uma "classe política corrupta e egoísta" em Washington.

Trump, apesar das dificuldades nas pesquisas, deixou claro que não pretende convencer os eleitores democratas em um país profundamente dividido.

"Se eles chegarem lá, isto acabará como uma versão da Venezuela em grande escala", disse.

O coronavírus, que matou quase 215.000 pessoas nos Estados Unidos, foi apenas mencionado, apesar de Trump ter passado três noites hospitalizado depois de ser diagnosticado com a doença.

"Vamos esmagar o vírus em breve. Já está passando", disse o presidente, apesar do aumento de casos em alguns estados no país.

Presidência "errática"

Poucas horas antes, Biden organizou um evento de menor porte na Flórida, dentro de sua estratégia de campanha mais discreta, e criticou a gestão de Trump na pandemia.

Igualmente ou até mais importante que a Pensilvânia nas eleições, a Flórida é um estado considerado "campo de batalha". Trump venceu no estado em 2016, mas desta vez as pesquisas apontam a vantagem de Biden. O democrata cortejou os eleitores mais velhos.

"O único idoso que importa para Donald Trump é Donald Trump", disse Biden durante um pequeno comício no centro comunitário de aposentados de Pembroke Pines, ao norte de Miami.

"Ele nunca se importou com vocês", continuou Biden. "A este presidente importa mais o mercado financeiro do que os idosos".

"Sua condução desta pandemia foi errática, a exemplo de sua presidência", completou o ex-vice-presidente de Barack Obama.

O candidato democrata lembrou que Trump afirmou que o vírus "não infecta praticamente ninguém".

"Vocês são prescindíveis, esquecíveis, são virtualmente ninguém. Esta é a visão de Trump", declarou Biden, que usou uma máscara durante o discurso.

Trump também visitou a Flórida na segunda-feira (12), para seu primeiro comício desde que foi hospitalizado por covid-19. Esta semana viajará a Iowa e Carolina do Norte, antes de retornar a Flórida e Geórgia.

Iowa e Geórgia foram dois estados nos quais Trump venceu confortavelmente em 2016, mas as pesquisas agora mostram diferenças.

Uma pesquisa de eleitores prováveis da Flórida publicada ontem pela Florida Atlantic University (FAU) mostra Biden com 51% e o presidente com 47%.

"Joe Biden continua sendo mais competitivo entre os eleitores mais velhos que Hillary Clinton em 2016, e esta pode ser a diferença na Flórida", disse Kevin Wagner, professor de Ciências Políticas na FAU. Trump chama as pesquisas de "falsas".

Mais de 11 milhões de americanos já votaram de maneira antecipada, de acordo com Michael McDonald, professor da Universidade da Flórida.

Eleições Americanas