PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Covid: Américas têm recorde de mais de 1,5 milhão de casos na última semana

Jarbas Barbosa é subdiretor da Opas - REPRODUÇÃO/OMS
Jarbas Barbosa é subdiretor da Opas Imagem: REPRODUÇÃO/OMS

25/11/2020 14h45

A Organização Panamericana da Saúde (Opas) disse nesta quarta-feira (25) que o continente americano registrou mais de 1,5 milhão de casos de covid-19 na última semana, um recorde desde que se declarou a pandemia em março.

"Desde a nossa coletiva de imprensa na semana passada, foram registrados mais de 1,5 milhão de casos nas Américas, o número semanal mais alto desde o início da pandemia", destacou Jarbas Barbosa, subdiretor da Opas, escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O rápido aumento das infecções nos Estados Unidos foi um fator importante para este número, mas os casos também cresceram no restante das subregiões do continente.

Barbosa destacou o aumento dos casos no Canadá entre idosos e indígenas, "especialmente vulneráveis devido às suas localizações remotas e ao difícil acesso à infraestrutura de saúde".

O Panamá registrou seu maior saldo semanal desde o início da pandemia, enquanto no Caribe aumentam os casos após um surto em Santa Lúcia que surgiu na tripulacção de um navio de carga, apontou.

Na América Central, a Opas acompanha com preocupação o potencial surgimento de surtos em abrigos lotados após a passagem devastadora dos furacões Eta e Iota, acrescentou.

Na América do Sul, o Brasil continua somando casos em alguns estados e o Uruguai informou um "dramático aumento" de contágios em alguns departamentos.

"Uruguai, o único país sul-americano que não registra transmissão comunitária, é um exemplo da rapidez com que a situação pode evoluir em todas as subregiões do continente", disse Barbosa.

A região das Américas acumula 25 milhões de casos e mais de 700.000 mortes por covid-19, segundo dados da Opas.

O coronavírus foi declarado pandemia pela OMS em 11 de março, depois que o escritório da organização na China notificou o surgimento da doença em dezembro de 2019.

Coronavírus