PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
4 meses

Manifestantes pró-democracia protestam nas ruas em Mianmar após morte de oito pessoas

Manifestantes protestam contra golpe militar em Dawei (Mianmar) - Dawei Watch/AFP
Manifestantes protestam contra golpe militar em Dawei (Mianmar) Imagem: Dawei Watch/AFP

22/03/2021 08h06

Yangon, 22 Mar 2021 (AFP) - Manifestantes pró-democracia em Mianmar saíram às ruas novamente hoje na cidade de Mandalay (centro), um dia depois de uma violenta repressão que matou oito pessoas, enquanto a BBC anunciou a libertação de seu jornalista local após vários dias de detenção.

Desde o golpe de Estado de 1º de fevereiro, que derrubou a líder civil Aung San Suu Kyi, os protestos diários são reprimidos com violência pela junta militar.

Quase 250 pessoas foram assassinadas e mais de 2.600 detidas, de acordo com a AAPP (Associação de Ajuda aos Presos Políticos).

Ao mesmo tempo, a BBC anunciou hoje a libertação de seu jornalista em Mianmar, Aung Thura. "O jornalista da BBC Aung Thura foi liberado em Mianmar", informou a emissora britânica. Ele foi levado por homens com roupas civis na capital, Naypyidaw, na sexta-feira (19).

Apelos à ONU

Na madrugada de hoje, os manifestantes, incluindo professores, protestaram em Mandalay, a capital cultural do país. Alguns exibiam cartazes com pedidos de intervenção da ONU.

Ontem, Mandalay foi cenário de uma das mais violentas ações de repressão, que deixaram oito mortos e quase 50 feridos, informou uma fonte médica à AFP. Durante a noite, monges celebraram uma cerimônia com velas

Em parte da cidade de 1,7 milhão de habitantes foram ouvidos tiros durante a noite.

"As pessoas estavam com muito medo e ficaram inseguras durante toda a noite", afirmou à AFP um médico.

Em Yangon, a capital econômica do país, também foram organizados protestos durante a madrugada em alguns bairros. Os motoristas tocaram as buzinas dos carros em apoio ao movimento pró-democracia.

Moradores no subúrbio de Hlaing lançaram balões vermelhos com mensagens para a ONU, que incluem pedidos de intervenção para acabar com as atrocidades no país, segundo a imprensa local.

A situação é muito tensa em Yangon, onde dois dos cinco milhões de habitantes estão submetidos à lei marcial.

Os opositores ao golpe decidiram protestar durante o dia e a noite para tentar evitar a resposta violenta das forças de segurança.

Mianmar, no entanto, está cada vez mais isolada. As conexões de internet continuam muito prejudicadas e apenas a imprensa estatal consegue cobrir a crise agora.

Sanções internacionais

Com a intensificação da repressão e o aumento do balanço de vítimas, a preocupação internacional com Mianmar é cada vez maior. Um alto funcionário da ONU advertiu que os militares birmaneses podem estar cometendo "crimes contra a humanidade".

A junta militar ignora as críticas internacionais e as sanções aplicadas por várias potências ocidentais, lideradas por Estados Unidos e União Europeia.

A UE pretende anunciar sanções contra 11 funcionários do governo birmanês envolvidos na repressão, segundo fontes diplomáticas. Estados Unidos e Reino Unidos já adotaram medidas similares.

Os países vizinhos de Mianmar já expressaram preocupação. Indonésia e Malásia pediram a organização de uma reunião urgente dos 10 Estados que integram a ASEAN (Associação de Nações do Sudeste Asiático) para debater a crise birmanesa.

O grupo francês EDF anunciou no domingo a suspensão de um projeto de represa hidrelétrica em Mianmar, que representava um investimento de 1,51 bilhão de dólares.

A suspensão do projeto, no estado de Shan (leste), que também contava com as participações da japonesa Marubeni e da birmanesa Ayeyar Hinthar, foi elogiada pelas ONGs Info Birmania e Justice for Myanmar.

Internacional