Conteúdo publicado há 1 mês

Ataque russo com míssil incendeia casas na cidade ucraniana de Kharkiv

Um ataque russo de mísseis contra a cidade de Kharkiv, no nordeste da Ucrânia, feriu duas pessoas e incendiou três casas na madrugada de sexta-feira, segundo autoridades locais.

Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, que fica a apenas 30 km da fronteira com a Rússia, está particularmente exposta a ataques aéreos e foi seriamente atingida quando Moscou intensificou seus ataques aéreos nos últimos meses.

Duas pessoas, incluindo uma criança de 11 anos, ficaram em estado de choque, escreveu o governador Oleh Syniehubov no aplicativo de mensagens Telegram.

O prefeito Ihor Terekhov disse que um míssil S-300 caiu na cidade, danificando 26 prédios e destruindo dois deles completamente. Ele não esclareceu quais eram esses prédios.

Um cinegrafista da Reuters que estava no local viu incêndios no que pareciam ser casas residenciais ao amanhecer. Os serviços de emergência correram para apagar os incêndios, trabalhando entre os escombros.

A Rússia lançou dois mísseis S-300/S-400 na região durante a noite, disse porta-voz da Força aérea Ucraniana, Illya Yevlash, em uma transmissão de televisão. Não ficou claro onde o segundo caiu.

Outro ataque de bomba guiada danificou cerca de 25 prédios quando caiu perto de uma instalação de infraestrutura na cidade de Derhachi, perto da fronteira com a Rússia, disse Syniehubov.

A Rússia, que lançou sua invasão em grande escala há mais de dois anos, intensificou seus ataques com mísseis e drones contra a Ucrânia em março deste ano.

A infraestrutura de eletricidade foi seriamente danificada, forçando as autoridades a introduzir apagões contínuos em Kharkiv e na região circundante, aumentando os temores sobre o que está reservado quando o consumo de energia aumentar no final deste ano.

Continua após a publicidade

Moscou nega ter como alvo civis em seus ataques à Ucrânia, mas centenas de civis morreram.

A Rússia afirma que seus ataques à rede elétrica são legítimos e que vários dos principais ataques recentes foram considerados uma retaliação aos ataques de drones ucranianos às refinarias de petróleo russas.

*Reportagem de Vitalii Hnidyi em Kharkiv, Anastasiia Malenko em Kiev e Lidia Kelly em Melbourne

Deixe seu comentário

Só para assinantes