PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Conteúdo publicado há
15 dias

Onda de calor atinge países nórdicos, com 35ºC no Ártico

Suécia teve o mês de junho mais quente, com média de 19,3°C, apagando os recordes dos dois anos anteriores - Adam Ihse/TT News Agency/Reuters
Suécia teve o mês de junho mais quente, com média de 19,3°C, apagando os recordes dos dois anos anteriores Imagem: Adam Ihse/TT News Agency/Reuters

05/07/2021 14h25Atualizada em 05/07/2021 15h10

Depois do junho mais quente já registrado na Finlândia e em várias regiões da Suécia, desde domingo as temperaturas se aproximam de máximas históricas no extremo norte da Europa, com o mercúrio marcando entre 30 e 35°C.

Kevo (extremo norte da Finlândia) atingiu 33,5°C no dia anterior, a maior temperatura registrada nesta região do país desde 34,7ºC em 1914, segundo a agência STT.

Nacionalmente, 2021 teve o mês de junho mais quente desde que as medições começaram em 1844, com temperatura média de 16,5°C, que superou a alcançada na década de 1950, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia.

Em Estocolmo, a vizinha Suécia também teve o mês de junho mais quente, com média de 19,3°C, apagando os recordes dos dois anos anteriores.

"É possível estabelecer uma tendência? Bem, provavelmente é outra coincidência", ironizou a ativista ambiental sueca Greta Thunberg no Twitter.

Na Noruega, o instituto meteorológico mediu 34°C em Saltdal no domingo, um condado muito próximo ao Círculo Polar Ártico.

"Noites tropicais", ou seja, quando os termômetros não caem abaixo de 20°C, foram registradas em várias regiões do reino.

Este verão de 2021 já tem sido marcado por um recorde absoluto de calor no Canadá, onde se aproximou dos 50°C na sombra.

De acordo com um relatório publicado em maio, o Ártico está esquentando três vezes mais rápido do que o planeta como um todo.

Meio Ambiente