PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Biden mantém diálogos intensos com democratas para salvar sua agenda

Presidente dos EUA, Joe Biden, se reuniu com grupos de legisladores democratas moderados e de esquerda em duas reuniões em separado. - Leah Millis/Reuters
Presidente dos EUA, Joe Biden, se reuniu com grupos de legisladores democratas moderados e de esquerda em duas reuniões em separado. Imagem: Leah Millis/Reuters

19/10/2021 17h40

Washington, 19 Out 2021 (AFP) - O presidente americano, Joe Biden, manteve diálogos intensos nesta terça-feira (19) com setores adversários do Partido Democrata, em uma tentativa de salvar sua agenda no Congresso antes que o tempo se esgote.

Depois de semanas de estagnação entre a ala à esquerda e a mais conservadora do partido em torno do custo e do alcance de seus planos para expandir a rede de seguridade social, Biden agora acelera o ritmo.

"Hoje passou praticamente, literalmente, cada minuto do seu dia reunindo-se com membros do Congresso e acredito que isto é um reflexo da urgência que sente", destacou a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki.

"Nosso esforço é continuar progredindo", disse. "Aqui estamos nos aproximando das etapas finais. Estamos trabalhando para chegar a um acordo".

O líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, mostrou-se otimista após um almoço com colegas democratas e disse que há um "acordo universal" de chegar a um pacto e que isso deve ocorrer "esta semana".

Biden reuniu-se primeiro com dois senadores democratas chave, Joe Manchin e Kyrsten Sinema, cuja oposição ao montante de 3,5 trilhões de dólares em seu projeto de lei de gastos sociais equivale a um veto, devido a que os democratas precisam de unanimidade para aprovar qualquer iniciativa em um Senado dividido em partes iguais.

Ele também se reuniu com grupos de legisladores democratas moderados e de esquerda em duas reuniões em separado. Na quarta-feira, o presidente discursará para promover seus planos em Scranton, a cidade operária da Pensilvânia onde passou parte da infância.

Manchin disse que só aceitará 1,5 trilhão de dólares para o projeto de lei de gastos sociais, que segundo Biden abordará as desigualdades fundamentais através da expansão da educação e do cuidado infantil gratuitos.

Preocupada com o destino deste projeto de lei, um poderoso setor da esquerda na Câmara de Representantes respondeu bloqueando a aprovação de um projeto de lei em separado de 1,2 trilhão de dólares para melhorar a infraestrutura americana, um desejo da maioria dos democratas e também de um número significativo de republicanos.

Embora as duas partes ainda estejam publicamente em desacordo, ameaçando arruinar a maior parte da agenda doméstica de Biden, Psaki mostrou-se otimista.

"Nosso objetivo é progredir e, baseando-se nas reuniões da manhã e em nossas expectativas das reuniões da tarde, esperamos que ocorra exatamente isso", afirmou.

"Tivemos meses para considerar, debater, litigar", lembrou. "Logo chegará o momento de avançar e cumprir a promessa com o povo americano".

Internacional