PUBLICIDADE
Topo

Guerra da Rússia-Ucrânia

Notícias do conflito entre Rússia e Ucrânia


Conteúdo publicado há
4 meses

Ucrânia envia ônibus para nova tentativa de retirar civis de Mariupol

22.mar.2022 - Moradores de Mariupol entram em ônibus na cidade de Berdyansk para pegar o corredor de evacuação - Comitê Executivo de Berdyansk
22.mar.2022 - Moradores de Mariupol entram em ônibus na cidade de Berdyansk para pegar o corredor de evacuação Imagem: Comitê Executivo de Berdyansk

31/03/2022 05h57Atualizada em 31/03/2022 07h06

O governo ucraniano enviou hoje 45 ônibus para retirar civis da cidade cercada de Mariupol, sudeste do país, depois que a Rússia anunciou uma trégua, informou a vice-primeira-ministra Iryna Vereshchuk.

"Fomos informados pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha que a Rússia está disposta a abrir o acesso aos comboios humanitários de Mariupol até Zaporizhizha", disse Vereshchuk em um vídeo divulgado pelo Telegram.

"Enviamos 45 ônibus para o corredor Mariupol", acrescentou.

Dezessete ônibus já seguiram para Mariupol a partir de Zaporizhzhia, que fica a uma distância de 220 quilômetros, informou Vereshchuk. Os demais 28 aguardam permissão para passar por um posto de controle russo na cidade de Vasylivka, perto de Zaporizhzhia.

Vamos fazer todo o possível para os ônibus entrem em Mariupol e retirem os que permanecem na cidade.
Ministra Iryna Verechtchuk em comunicado no Telegram

Até o momento, os civis só conseguem sair de Mariupol com os próprios veículos, uma viagem de alto risco porque os acordos para a saída de moradores não foram respeitados.

Mariupol, um porto estratégico no Mar de Azov, está cercada e sob intensos bombardeios das forças russas desde o fim de fevereiro.

As pessoas que conseguiram sair da cidade e as ONGs descreveram condições terríveis, com civis entrincheirados em porões sem água, alimentos ou comunicação, e com corpos espalhados pelas ruas que ninguém enterra por causa do bombardeio.

Cruz Vermelha diz estar pronta para coordenar retirada de civis de Mariupol

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) afirmou que está disposto a coordenar a retirada dos civis bloqueados na cidade de Mariupol a partir de amanhã (1º), desde que tenha as garantias necessárias, afirmou a organização em um comunicado.

O Ministério da Defesa russo anunciou um "regime de silêncio", ou seja, um cessar-fogo local, a partir das 10h desta quinta-feira (04h de Brasília) em Mariupol para permitir a retirada de civis.

Ministros da Ucrânia e Rússia devem se reunir

No campo diplomático, o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Cavusoglu, afirmou que o chefe da diplomacia da Rússia, Serguei Lavrov, e o chanceler da Ucrânia, Dmitro Kuleba, podem se reunir dentro de "uma ou duas semanas".

"Pode acontecer uma reunião de alto nível, ao menos entre os ministros, dentro de uma ou duas semanas", declarou Cavusoglu,. Ele explicou que "é impossível antecipar uma data", mas que a Turquia está disposta a receber a reunião "como mediador sincero".

"O mais importante é que as partes se reúnam e concordem com um cessar-fogo duradouro (...) É impossível negociar sob a pressão das armas", disse.

Ao comentar a tentativa de retirada de civis de Mariupol, uma operação na qual a Turquia estabeleceu uma associação com a França e a Grécia, o ministro disse que seu governo propôs a abertura de "dois corredores humanitários, para a Rússia e a Ucrânia".

"Ninguém deve pressionar os civis a escolher um corredor ou outro. Todos devem poder ir para onde desejam", disse.

Na área econômica, o Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento (BERD) divulgou projeções de contração de 10% para a Rússia este ano, e de 20% para a Ucrânia, consequência da guerra e das sanções impostas contra Moscou.

Antes da guerra, o BERD calculava um crescimento de 3,5% do PIB para a Ucrânia e de 3% para a Rússia em 2022.