PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Ataque a tiros em igreja na Califórnia deixa ao menos 1 morto e 5 feridos

Caminhão de bombeiros socorre a igreja presbiteriana Geneva, em Laguna Woods, na região metropolitana de Los Angeles, na Califórnia (EUA), palco de ataque de atirador neste domingo (15) - Leonard Ortiz/MediaNews Group/Orange County Register via Getty Images
Caminhão de bombeiros socorre a igreja presbiteriana Geneva, em Laguna Woods, na região metropolitana de Los Angeles, na Califórnia (EUA), palco de ataque de atirador neste domingo (15) Imagem: Leonard Ortiz/MediaNews Group/Orange County Register via Getty Images

15/05/2022 19h00Atualizada em 16/05/2022 07h07

Ao menos uma pessoa morreu e cinco ficaram feridas em um ataque a tiros em uma igreja presbiteriana neste domingo (15) em Laguna Woods, na região metropolitana de Los Angeles, no condado de Orange, na Califórnia (EUA). Um suspeito foi preso e uma arma, apreendida.

Todas as vítimas são de origem taiwanesa, afirmou nesta segunda-feira (16) em Taipé o Ministério das Relações Exteriores de Taiwan. Das cinco pessoas atingidas no ataque, quatro estão gravemente feridas.

Segundo as autoridades, os fiéis participavam em uma refeição após o culto matinal quando o atirador começou o ataque.

As pessoas presentes conseguiram deter o agressor, "amarraram suas pernas com um cabo e retiraram pelo menos duas armas dele" antes que os policiais chegassem ao local para prendê-lo, informou o subcomandante do condado de Orange, Jeff Hallock.

"Esse grupo de fiéis mostrou heroísmo e coragem excepcionais", disse Hallock. "Eles certamente evitaram ferimentos e mortes adicionais."

Os investigadores ainda tentam determinar a motivação do ataque, disse o subcomandante, antes de informar que suposto agressor, que não ficou ferido, seria um adulto de origem asiática na casa dos 60 anos.

As autoridades disseram que receberam uma ligação de emergência da igreja presbiteriana Geneva às 13h26 (17h26 no horário de Brasília) de domingo.

O gabinete do governador da Califórnia, Gavin Newsom, afirmou que trabalha com as autoridades locais para monitorar a situação.

"Ninguém deveria ter medo de ir ao seu local de culto. Nossos pensamentos estão com as vítimas", tuitou a conta do governo estadual.

A congressista democrata Katie Porter, que representa o condado de Orange em Washington, descreveu o ataque como uma "notícia terrível e perturbadora, especialmente menos de um dia depois de um tiroteio em massa em Buffalo".

O tiroteio na Califórnia aconteceu depois que, no sábado, um homem branco de 18 anos abriu fogo e matou 10 pessoas e feriu outras três —quase todos afro-americanos —em um supermercado em Buffalo, Nova York, no que as autoridades chamaram de ataque racista.

Tiroteios em massa viraram algo frequente nos Estados Unidos, onde os esforços para regulamentar a posse de armas não conseguiram superar o poderoso lobby da indústria, mesmo após massacres.

Dez mortos em supermercado

Este é o segundo ataque a tiros registrado nos Estados Unidos neste fim de semana. No sábado (14), dez pessoas morreram quando um atirador disparou contra frequentadores de um supermercado em um bairro predominante negro da cidade de Buffalo, no estado de Nova York.

Um homem de branco de 18 anos foi detido. O FBI investiga o episódio como "crime de ódio e extremismo violento com motivação racial". Das 13 vítimas, 11 eram negras.

Polícia da Califórnia em frente à igreja presbiteriana Geneva, em Laguna Woods, na região metropolitana de Los Angeles, palco de ataque de atirador neste domingo (15) - Leonard Ortiz/MediaNews Group/Orange County Register via Getty Images - Leonard Ortiz/MediaNews Group/Orange County Register via Getty Images
Polícia da Califórnia em frente à igreja presbiteriana Geneva, em Laguna Woods
Imagem: Leonard Ortiz/MediaNews Group/Orange County Register via Getty Images

Internacional