PUBLICIDADE
Topo

Guerra da Rússia-Ucrânia

Notícias do conflito entre Rússia e Ucrânia


Conteúdo publicado há
1 mês

Presidente da Ucrânia diz a Macron que duvida da utilidade de falar com Putin sobre a guerra

Presidente da Ucrânia Volodymyr Zelensky - Ukrainian Presidential Press Service/Handout via REUTERS
Presidente da Ucrânia Volodymyr Zelensky Imagem: Ukrainian Presidential Press Service/Handout via REUTERS

Da AFP

16/06/2022 16h37Atualizada em 16/06/2022 17h01

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse a seu colega francês Emmanuel Macron nesta quinta-feira que duvida da utilidade de conversar com o presidente russo Vladimir Putin para tentar acabar com a guerra na Ucrânia.

"Não tenho certeza de que exista a possibilidade de que o presidente da Federação Russa esteja disposto a ouvir" o que lhe dizem sobre isso, disse Zelensky em entrevista coletiva em Kiev com outros líderes europeus.

"Parece que atualmente Putin toma decisões e depois fala com alguém" sobre elas, continuou. "Isso não diz respeito apenas a Emmanuel [Macron]. Não tenho certeza de que atualmente existam líderes no mundo que possam forçar individualmente a Rússia a parar a guerra", acrescentou.

Zelensky estava respondendo a um jornalista que o questionou sobre a onda de críticas que Macron enfrentou recentemente, especialmente por ter pedido "para não humilhar a Rússia".

O chefe de Estado francês é um dos poucos líderes ocidentais que conversa regularmente com Putin, o que gera mal-entendidos na Europa Oriental. Macron disse que não descarta voltar a falar com seu colega russo, se considerar que as circunstâncias o exigiam.

"Em questões de segurança alimentar, também é necessário conversar com a Rússia, para tentar obter progressos", disse.

"Quando se abre uma janela de oportunidade, é útil pressionar para retomar as negociações", acrescentou, evocando a necessidade do fim da guerra na Ucrânia.

"Mas como sempre disse e hoje repito diante de vocês (...), as modalidades só serão decididas pela Ucrânia e seus representantes e, em particular, seu presidente", ressaltou.