Conteúdo publicado há 19 dias

Coreia do Norte anuncia fracasso de lançamento de satélite espião

A Coreia do Norte anunciou, nesta segunda-feira (27), o fracasso de sua última tentativa de colocar em órbita um satélite espião, horas depois de o aviso de seu lançamento ter sido criticado por Coreia do Sul e Japão.

O míssil que transportava o satélite espião Malligyong-1-1 "explodiu no ar durante o primeiro voo", causando "falha no lançamento", afirmou a Administração Nacional de Tecnologia Aeroespacial em um comunicado.  

A "causa do acidente foi a confiabilidade operacional do novo motor de oxigênio líquido e querosene", acrescentou o documento, divulgado pela mídia estatal. 

A rede japonesa NHK transmitiu imagens do que parecia ser um projétil em chamas e afirmou que as gravou no nordeste da China, coincidindo com a tentativa de lançamento. 

Pyongyang notificou o Japão, nesta segunda, de que planejava colocar outro satélite em órbita, após uma tentativa bem-sucedida em novembro e dois fracassos no ano passado. Várias resoluções das Nações Unidas proíbem a Coreia do Norte, que possui armas nucleares, de realizar testes com tecnologia balística.  

"Nossos militares detectaram, por volta das 22h44 (10h44 no horário de Brasília) de segunda-feira, a trajetória do que se suspeita ser um satélite de reconhecimento militar vindo do Norte, lançado da área de Tongchang-ri, na província de Pyongan do Norte, em direção ao sul", declarou o Estado-Maior Conjunto de Seul. 

Mas dois minutos depois, foram detectados "muitos fragmentos do projétil" "em águas norte-coreanas" e tanto os Estados Unidos como a Coreia do Sul "estão analisando" se o projétil "teve um voo operacional", acrescentou. 

O Japão confirmou o lançamento e o governo emitiu brevemente um alerta alertando os residentes no sul da província de Okinawa para se protegerem em abrigos. 

O lançamento "é um ato provocativo que viola claramente a resolução do Conselho de Segurança da ONU que proíbe o uso de tecnologia de mísseis balísticos", denunciou o Exército sul-coreano.

Continua após a publicidade

O Comando Indo-Pacífico americano (INDOPACOM) chamou o lançamento de "violação descaradas de múltiplas resoluções unânimes do Conselho de Segurança da ONU" e afirmou em um comunicado que o episódio "corre o risco de desestabilizar a situação de segurança na região e mais além".

- Cúpula tripartite -

A última tentativa ocorreu poucas horas depois de Coreia do Sul, China e Japão exigirem a desnuclearização da Coreia do Norte, em sua primeira cúpula tripartite desde 2019. 

O presidente sul-coreano, Yoon Suk Yeol, denunciou que outro lançamento de satélite prejudicaria a "paz e estabilidade regional e global" e instou Pyongyang a desistir da ideia. 

Soldados sul-coreanos realizaram treinamento de ataque aéreo nesta segunda-feira para demonstrar a "forte capacidade e vontade" dos militares, depois que a Coreia do Norte notificou o Japão sobre seus planos de lançar um satélite em 4 de junho.

Especialistas dizem que os satélites espiões poderiam melhorar as capacidades de coleta de informações da Coreia do Norte, especialmente em relação à Coreia do Sul, e fornecer dados importantes em qualquer conflito militar. 

Continua após a publicidade

Seul afirma que Pyongyang recebeu ajuda técnica da Rússia para o seu lançamento em novembro, em troca do envio de armas a Moscou para a ofensiva na Ucrânia. 

O líder norte-coreano, Kim Jong Un, reuniu-se em setembro com o presidente russo, Vladimir Putin, que ofereceu ajuda para construir satélites.  

Um grupo de engenheiros russos chegou à Coreia do Norte para ajudar o país a se preparar para o lançamento, reportou no domingo a agência de notícias sul-coreana Yonhap, citando um funcionário do governo.

Seul informou na sexta-feira que as autoridades de inteligência sul-coreanas e norte-americanas estavam "monitorando e acompanhando de perto" os preparativos para outro lançamento. 

A Coreia do Norte afirma que o satélite 'Malligyong-1', que pôs em órbita em novembro, opera com sucesso, mas a inteligência sul-coreana lançou dúvidas sobre esta afirmação. 

O Serviço Nacional de Inteligência da Coreia do Sul coletou e analisou destroços de um dos lançamentos fracassados de Pyongyang no início do ano passado e descobriu que não tinham uso militar.

Continua após a publicidade

hs/ceb/lb/an-sag/mb/jb/mvv/jb

© Agence France-Presse

Deixe seu comentário

Só para assinantes