Violência no Rio

Rocinha tem tiroteio e PM baleado; ônibus é incendiado no Vidigal

Rio de Janeiro

A favela da Rocinha, na zona sul do Rio, é palco de intensos tiroteios desde a manhã desta quinta-feira (25), em função de uma operação da Polícia Militar, à qual criminosos reagiram. Até as 17h havia cinco feridos -- dois PMs e três suspeitos.

Um dos policiais está gravemente ferido; não há informações sobre o estado de saúde do outro PM e dos suspeitos.

Por volta das 17h30, o trânsito da avenida Niemeyer, que liga a Rocinha ao Vidigal, foi interrompido depois que um ônibus foi incendiado -- o coeltivo foi retirado do local por volta das 19h.

Ainda não há informações sobre o que motivou a ação. Até as 18h não havia registro de feridos, e os responsáveis pelo incêndio não haviam sido identificados nem presos

De acordo com o Centro de Operações, a Niemeyer está interditada nos dois sentidos devido a uma manifestação.

Reprodução/Whatsapp
A prefeitura recomenda que moradores evitem a auto-estrada Lagoa-Barra em razão da operação policial na Rocinha.

A 11ª DP, que atende a Rocinha e fica na rua Bertha Lutz, ao pé do morro e paralela à auto-estrada Lagoa-Barra, foi cercada pela polícia por volta das 16h30, depois de um boato de que criminosos tentariam atacar a delegacia. O trânsito na rua da delegacia foi interrompido e cones plásticos, espalhados ao redor do local. PMs do Batalhão de Choque reforçam o policiamento.

Em nota, a PM negou que criminosos tenham atacado a UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) da Rocinha. "As perfurações na base [da UPP] foram decorrentes de confronto armado que ocorreu entre criminosos e equipe do Bope [o grupo de elite da PM] nas proximidades", afirmou a instituição.

De acordo com a Polícia Militar, sete fuzis foram apreendidos e quatro suspeitos, presos durante a operação realizada hoje na comunidade.

Nas redes sociais, moradores relatam o pânico com os tiroteios desta quinta. 

"Mais um dia de confrontos na Rocinha, o que já nem é mais novidade, né? O desespero é tanto que os moradores hoje só estão pedindo para não atirar nos transformadores de energia e nos canos de água. Já que é para ficar sitiada, que seja com água e luz dentro de casa. E a sensação que fica é de que cada dia que se passa a nossa vida vale um pouquinho menos", diz uma moradora ao descrever a situação para o jornal comunitário Fala Roça.

Alunos da PUC-Rio, que fica na Gávea (zona sul), numa área próxima à Rocinha, também se assustaram com o barulho dos tiros, ouvidos a partir do campus. "Parece filme de guerra", relatou um aluno no Facebook.

De acordo com um levantamento do aplicativo Fogo Cruzado publicado no começo desta semana, o Estado do Rio registrou 5.994 tiroteios ao longo do ano de 2017 -- uma média de 16 trocas de tiros por dia. 

Moradores da favela da Rocinha, que teve o chefe do tráfico, Rogério 157, preso em dezembro, relatam que o local está dividido entre facções rivais e temem uma nova investida de traficantes da ADA (Amigo dos Amigos), como a que desencadeou em setembro a crise de segurança que mobilizou quase mil homens das Forças Armadas.

Ricardo Moraes/Reuters
Morador carrega cachorro baleado durante tiroteio na Rocinha nesta quinta

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos