Topo

PGR mantém no MP-RJ investigação contra Flávio Bolsonaro por lavagem em negociação de imóveis

1.fev.2019 - Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) no  plenário do Senado - DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO
1.fev.2019 - Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) no plenário do Senado Imagem: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO

Breno Pires

Brasília

21/02/2019 16h32

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, manteve sob incumbência do MPF-RJ (Ministério Público Federal do Rio de Janeiro) a investigação sobre se o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), praticou crime de lavagem de dinheiro na negociação de imóveis.

O caso já vinha sendo investigado pela Polícia Federal, mas no Ministério Público Federal houve a dúvida sobre em qual instância deveria tramitar, depois de Flávio se eleger para o Senado.

A Procuradoria-Geral da República, então, manteve o caso na primeira instância, levando em consideração a regra do Supremo que limita o foro apenas a casos em que o suposto crime tiver sido cometido no mandato e em razão dele. As investigações sobre Flávio são de condutas supostamente ilegais cometidas antes de sua eleição para o Senado.

O que o MPF no Rio vai analisar é se as "negociações relâmpagos" de imóveis resultaram em um aumento patrimonial incompatível de Flávio, segundo as investigações da Polícia Federal.

Os fatos são apurados também do ponto de vista eleitoral. Nesse caso, a Procuradoria Regional Eleitoral no Rio de Janeiro está fazendo a análise sobre se Flávio cometeu crime ao declarar à justiça eleitoral imóveis com valores incompatíveis com os avaliados no mercado. A PGR já havia dito que a procuradoria regional eleitoral detém a competência de analisar esse caso.

Essas apurações não estão relacionadas ao caso que envolve o ex-assessor Fabrício Queiroz, citado em relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), revelado pelo Estado em dezembro.

Mais Política