Topo

Michelle: atentado contra Bolsonaro 'resgatou uma nação e despertou uma igreja'

Julia Lindner

Brasília

2019-03-26T20:32:00

26/03/2019 20h32

Após a exibição do filme "Superação: o milagre da fé", a primeira-dama Michelle Bolsonaro fez um discurso em frente à tela de cinema e disse que o atentado contra o marido, no ano passado, "resgatou uma nação e despertou uma igreja que orou pela recuperação dele". Michelle é evangélica.

O presidente Jair Bolsonaro acompanhou de pé a fala da esposa, que foi traduzida simultaneamente para a Língua Brasileira de Sinais (Libras). Ele estava entre os convidados que compareceram a uma sessão reservada da produção cinematográfica hoje de manhã em um shopping de Brasília.

"Gente, obrigada. Foi um prazer estar aqui nesta manhã com todos vocês. E nós temos muito em comum com esse filme pelo momento difícil que o Jair passou. Creio que todos aqui, como no filme, oraram pela recuperação dele. Fico muito emocionada em saber que o Deus que fez milagres no passado continua fazendo hoje. O Deus que fez o milagre em 2015 fez o milagre em 2018", afirmou a primeira-dama.

Bolsonaro assistiu a um filme americano que é baseado no livro autobiográfico de Joyce Smith, publicado em 2017. Há quatro anos, o filho de Smith, John, de 14 anos de idade, caiu em um lago congelado no Missouri, nos EUA, durante o inverno. Ele chegou a ser declarado sem vida, mas teria "ressuscitado" por causa da fé e da oração da mãe.

Em sua fala, Michelle também falou que ela e os filhos de Bolsonaro tinham "a mesma certeza" da protagonista de que Bolsonaro iria se recuperar, após ele ter sofrido atentado a faca durante a campanha presidencial.

O Senhor colocou paz no nosso coração. O que era para ser a morte foi para o milagre. Resgatou o patriotismo, resgatou uma nação, despertou uma igreja que orou pela recuperação dele

primeira-dama Michelle Bolsonaro

Cinema durante a crise

A "escapada" de Bolsonaro ao cinema, fora da agenda oficial, se deu no momento em que o governo passa por uma crise política. Enquanto o presidente assistia ao filme, o ministro da Economia, Paulo Guedes, informava sua desistência de ir à Câmara defender a reforma da Previdência, o que acirrou as críticas.

Por volta das 11h30, o presidente já estava de volta ao Palácio do Planalto, onde se reuniu com o governador do Rio, Wilson Witzel.

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, que acompanhou o casal na sessão, contou que todos se emocionaram, inclusive a primeira-dama e o presidente. "Um filme totalmente inclusivo, um cinema cheio de surdos. Mãe surda com filho surdo podendo assistir a um filme", disse.

Michelle é autodidata em Libras e tem ligação com entidades que tratam pessoas com deficiência e com doenças raras.

Mais Política