Topo

Funai realiza expedição na Amazônia para tratar de tensão entre grupos indígenas

Mulher da etnia Korubo carrega seu filho no colo no Vale do Javari, no Amazonas, região próxima à fronteira com o Peru, em 1997 - Erling Soderstrom - Arquivo
Mulher da etnia Korubo carrega seu filho no colo no Vale do Javari, no Amazonas, região próxima à fronteira com o Peru, em 1997 Imagem: Erling Soderstrom - Arquivo

André Borges

Em Brasília

05/04/2019 12h50

A Funai (Fundação Nacional do Índio) divulgou nesta sexta-feira, 5, informações sobre uma expedição realizada em terras de índios isolados na Amazônia. A missão teve o propósito de contatar um grupo de isolados que corria riscos de entrar em conflito com outra etnia que vive na região.

A política de isolados realizada pela Funai se orienta pela proteção e distanciamento desses povos. Neste caso específico, porém, especialistas da fundação concluíram que era preciso fazer a dissolução de uma tensão entre os dois grupos que estavam em áreas próximas, garantindo a integridade física dos indígenas isolados Korubo do Rio Coari e do povo Matis. Em 2014, esses dois povos entraram em conflito.

A preocupação era que isso voltasse a ocorrer. Segundo a Funai, "todos os objetivos da ação foram alcançados, estando a saúde e a segurança dos indígenas preservada".

A expedição partiu no dia 3 de março da base de proteção da Funai no Rio Ituí. De acordo com a fundação, a missão ocorreu após mais de três anos de discussões, meses de planejamento, diálogo com indígenas na região e articulação com instituições governamentais. A equipe contava com 30 pessoas.

No dia 19 de março a equipe encontrou com dois indígenas isolados que caçavam. No dia seguinte, chegaram outros 22 indígenas que estavam nas proximidades. Outras duas famílias, compostas por 10 indígenas, se aproximaram nos três dias seguintes.

Ao todo foram encontrados 34 Korubos. Quatorze deles com idade aproximada entre 20 e 48 anos, sendo oito homens e seis mulheres, duas delas grávidas. O grupo conta, ainda, com crianças e jovens de até 16 anos. Dessas, três bebês de menos de um ano de idade.

Uma equipe de saúde indígena ofereceu os primeiros atendimentos e vacinou todo grupo, conforme prevê o Programa Nacional de Imunização para Indígenas. Não houve registro de contaminação dos indígenas ou qualquer complicação de saúde decorrente do contato.

A expedição, segundo a Funai, acaba na próxima semana, quando a equipe atual de 28 pessoas sai e entra outra equipe de 21 integrantes. A proposta é de que a nova equipe substitua a primeira no próximo dia 7 de abril.

Expedição da Funai quer impedir conflito na Amazônia

Band Notí­cias

Cotidiano