Topo

Pedido de expulsão de Aécio Neves é rejeitado pela executiva nacional do PSDB

1º.fev.2019 - O ex-senador e deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) no plenário da Câmara - Pedro Ladeira/Folhapress
1º.fev.2019 - O ex-senador e deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) no plenário da Câmara Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

Camila Turtelli

Brasília

21/08/2019 20h08

A executiva nacional do PSDB rejeitou o pedido de expulsão do partido do deputado Aécio Neves (PSDB-MG). Em uma reunião que durou cerca de cinco horas, o deputado Celso Sabino (PSDB-PA) apresentou seu parecer contra a representação feita pelos diretórios municipal e estadual do partido em São Paulo que pedia a saída do ex-candidato à Presidência da República. Sabino considerou que não havia motivos e pediu pela rejeição. "Deputado não tem nenhuma condenação", disse. "Partido não tem motivos para fazer a expulsão", disse.

A maioria dos membros presentes votou com o relator e, com isso, o pedido foi rejeitado. Foram 30 votos a favor. Apenas quatro foram contra o relatório e pediram para que o processo de expulsão fosse aberto. Foram eles, o deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, o tesoureiro do partido César Gontijo e o secretário de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido. Houve uma abstenção do líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (PSDB-SP).

A rejeição do pedido de expulsão é considerada como uma derrota ao governador de São Paulo, João Doria, um dos principais defensores da expulsão de Aécio do partido. O movimento para expulsar Aécio é parte do que Doria chamou de "faxina ética" no PSDB, que ano passado teve o pior desempenho eleitoral de sua história. Há o temor de que a permanência de Aécio no partido atrapalhe os planos eleitorais de Doria, para a Presidência em 2022, e de Bruno Covas, prefeito de São Paulo, que disputará a recondução ao cargo nas eleições do ano que vem.

O presidente do partido, Bruno Araújo, disse que a decisão foi democrática e negou significasse uma derrota a Doria. "João Doria é um aliado e um pré-candidato a presidente de todos nós no partido. É uma discussão aparteada de relações pessoais e políticas", disse.

Segundo Araújo, o PSDB respeitou as instâncias do partido de forma democrática. "Em cinco horas, o partido decidiu pelo arquivamento", disse. "O assunto Aécio Neves em relação aos fatos apresentados está encerrado", afirmou. Segundo ele, mesmo que chegue qualquer nova representação pedindo a expulsão de Aécio, em relação aos mesmos fatos, isso será arquivado.

Aécio é alvo de ao menos oito inquéritos, abertos após delações da Odebrecht, da JBS e do ex-senador petista Delcídio do Amaral, e também é réu ainda não julgado, sob acusação de corrupção passiva e obstrução da Justiça. Para alguns, ele é uma mancha na imagem dos tucanos, para outros ele está apenas sendo sacrificado em prol da pré-campanha de Doria ao Palácio do Planalto.

Para Aécio, a decisão do partido foi democrática. "O partido tomou uma decisão serena e democrática, não há aqui vitoriosos e vencidos", afirmou o deputado. "Acho que isso permitirá que o PSDB cumpra seu papel de um partido de centro, com a grave preocupação social e que pode voltar a ser protagonista no processo político brasileiro", afirmou Aécio.

Questionado se a decisão era uma derrota a Doria, ele disse que não vê dessa forma. "Decisão respeita estatuto e história daqueles que construíram história do PSDB. O partido simplesmente disse que tem regras", afirmou.

Mais Política